CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

ESCRITORES DA LIBERDADE

Escritores da liberdade é um filme dirigido por Richard Lagravenese, baseado em fatos reais, tendo como foco central a história de Erin Gruwell (Sra. G), uma jovem e inexperiente professora totalmente dedicada aos seus alunos.

A história se passa no ano de 1992, período em que a cidade de Los Angeles (EUA) vive uma verdadeira guerra nos seus bairros mais pobres. Os conflitos são causados por gangues cujos membros são movidos pelas tensões raciais.

A professora Erin Gruwell assume a sala de aula cheia de expectativas. Contudo depara-se com uma situação totalmente adversa e contrária as suas expectativas: a classe é formada por alunos de diferentes etnias (orientais, negros, latinos e brancos) que não correspondem ao seu modelo educacional, e suas primeiras aulas tornam-se frustrantes pelas constantes brigas, desencontros e as insatisfações bem presentes em cada gesto e expressão dos alunos que simplesmente a ignoram a ponto de deixá-la sozinha na sala de aula, visto que a vêem como representante do domínio dos brancos.

Seu primeiro impulso é levar suas angustias até a direção da Escola, que não oferece apoio algum, ao contrário ignoram sua postura e suas preocupações. Contudo a professora não desiste, e aceita o desafio de promover uma mudança na atual situação de seus alunos. Desenvolve então uma proposta de trabalho intencional e planejada que se identifica com os alunos, através da música, procurando conhecê-los individualmente. A princípio, a comunicação a praticamente forçada, os argumentos são bizarros, os questionamentos são ofensivos, aos quais responde perguntado se vale a pena participar de gangues, e se serão lembrados por suas atitudes.

Deste modo, começa o processo de sensibilização a partir da qual cada um tem a oportunidade de falar de si próprio, de seus medos, suas angústias, suas mágoas e da violência entre os grupos.

Para desenvolver tais relatos a professora utiliza a metodologia da escrita em diários, uma das ações de um projeto de leitura e escrita a partir da leitura do livro “O diário de Anne Frank”, conquistando assim a confiança do grupo.

Através da metodologia da pesquisa ação, os alunos são levados a conhecer o Museu do Holocausto, que representa o massacre promovido pelos alemães a grupos de minorias como judeus, homossexuais, além de outros vistos pelos nazistas como “raça impura”.

No decorrer da trama e conforme se envolve com a dinâmica de seu trabalho, em sua vida pessoal, passa por situações difíceis, pois seu marido acredita estar sendo colocado em segundo plano, chegando a ponto de se divorciar, mas nem mesmo isso a faz desistir de seus alunos que acompanha até o final de seus estudos na escola e ingresso em faculdades.

OPINIÃO CRÍTICA

A professora Erin encarava a educação como um ato político e ético, porque despertava em seus alunos o pensamento crítico, numa educação baseada em suas vivências e experiências, voltada para a vida em sociedade.

Para ela o importante era “fazer a sua parte”, independente das críticas dos colegas e falta de apoio da direção da escola, não havia obstáculos intransponíveis, o importante era tão somente ensinar aquela geração do presente.

Muitas experiências do dia-a-dia, ao contrário, têm mostrado que muitos professores não possuem poder de reação diante das situações adversas da sala de aula, a muitos falta o comprometimento de querer fazer a diferença, de enxergar o ato de educar como um ato intencional que para surtir o efeito desejado precisa ser planejado, pois é somente a vivência na sala de aula que favorece o nascimento de propostas simples, mas capazes de revolucionar as ações dos alunos.

Para Saviani (2003), é necessário romper com a visão despolitizada da escola e da educação. Acreditar em uma prática intencional que através de um processo democrático possa garantir aprendizagem de qualidade e a formação do cidadão pleno almejada por todos e tão presente nos textos de nossas leis. E para tanto os educadores tem papel fundamental nessa mudança para formar cidadãos verdadeiramente preparados para assumir seu papel na sociedade.
Leny Silva
Enviado por Leny Silva em 25/06/2011
Código do texto: T3056985
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Leny Silva
Presidente Figueiredo - Amazonas - Brasil, 30 anos
156 textos (10004 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/14 19:19)