Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Resenha crítica do Filme Sociedade dos Poetas Mortos.



            O enredo do filme é envolvedor, pois, aborda assuntos pertinentes a vida educacional, social e familiar dos alunos da Academia Welton. Uma Escola do segundo grau, tradicionalista e rigorosa nos padrões de ensino e formação do indivíduo.
 O filme dirigido por Peter Weir é uma drama com fundo crítico a respeito do ensino Tradicional.
      A academia prezava por formar homens vencedores, mas reprodutores dos padrões sociais da época; impostos pelo senso comum. Nesta época se priorizava o ensino exato como, por exemplo: científico, empresarial, matemático e outros. As palavras que representavam a escola eram: Tradição; Honra; Disciplina; Excelência. Sendo assim os pais que colocavam seus filhos ali se sentiam orgulhosos da escolha feita e da educação que eles iriam receber e também das chances de ingressarem no ensino superior e se tornarem homens vitoriosos. Para a Sociologia Positivista a escola é um local de inserção e de ascensão social, sendo assim o indivíduo que não consegue ascender socialmente não o quis fazer, ou seja, teve oportunidades, mas não quis.
      A instituição enfatiza todo o sucesso para os pais e alunos ao mostrar as conquistas dos ex-alunos da escola. E isto gera uma pressão nos futuros alunos.
Ao apresentar o novo professor de inglês “John Keating (Robin Willins)” que foi aluno da escola. O enredo toma um novo rumo. O professor John incentiva aos alunos a pensar em artes, teatro, poemas e a quebrar regras. Ele preza pelo ensino crítico, moral e formador do caráter do sujeito e principalmente na individualidade. Seus objetivos estão pautados numa famosa expressão literária “Carpe diem” que quer dizer aproveite o dia!  Esta cena se dá no primeiro dia de aula. O Professor Keating inicia a leitura com uma frase de um poema de Walt Whitman a respeito de Abraham Lincoln : “Meu Capitão, Meu Capitão”, o que se pode entender teria chamado assim também seu mestre que o inspirou. Pede aos alunos que leiam o primeiro verso do poema “Às virgens para aproveitar o tempo” da página 542 do livro de hinos:
“Pegue seus botões de rosas enquanto podem...”. Fator que lembra a efemeridade do tempo e da vida que eram características do Barroco.
        Suas aulas foram de inspiração para indivíduos perdidos em tantas regras e padrões sociais que só reproduziam a sociedade e os privavam do seu eu; dos seus gostos e talentos.  O aluno Neil descobre uma Sociedade secreta a qual o professor John já tinha frequentado um tipo de clube de leitura de poemas numa caverna. Os alunos então  formam um grupo e passam a frequentar a Sociedade dos poetas mortos. Influenciado pelos encontros com os colegas, Neil descobre o gosto pela dramatização, ele se inscreve para encenar uma peça e consegue o papel principal. O ponto crucial desta história dramática foi o suicídio do aluno Neil que não aguentava as pressões do pai sobre a carreira que ele deveria exercer no futuro. Assim silenciou-se para sempre. E enquanto ao professor? Por ser o único a trabalhar fora dos padrões educacionais da instituição foi mandado embora. E aos demais alunos da classe a forma de protesto foi de subir em cima da mesa enquanto o professor se retirava; naquele tempo era uma grande transgressão de regras. O Sr. John se despediu agradecido por saber que nada mais seria como antes na vida daqueles rapazes.
  O ensino ministrado pelo Professor John é revolucionário, pois, cria eventos reflexivos na mente de seus alunos e não reprodutores. De formar homens autônomos, vivos, intensos, responsáveis pelas atitudes e cidadãos conscientes.
Logo, trazendo para os dias atuais: modelo de instituição educacional e de avaliações. Será que estamos tão distantes do modelo da Academia Welton?
  Já que hoje observamos o impacto da violência nas escolas públicas, que automaticamente tem interferido no aumento da evasão e reprovação dos alunos. A reprodução de indivíduos derrotados, estigmatizados e marginalizados pela sociedade.
       A autonomia do educador muitas das vezes é negada acabando por seguir o currículo educacional ditado pela escola sem levar em conta o aluno, sua realidade, suas potencialidades e suas dificuldades. Então o indivíduo será sempre um produto da sociedade como afirma o precursor da Sociologia Émile Durkheim.
Atualmente muitas escolas são tradicionalistas no ensino, pois, priorizam os conteúdos, o currículo, a avaliação tradicional, o professor detentor do saber e a relação distante entre aluno, professor e a escola.
        Enquanto educadores devemos ter consciência que a educação vai além de conteúdos padronizados e avaliações. Muito além de notas altas ou baixas, da frequência em sala de aula ou outros fatores. Devemos antes de tudo ensinar o gosto pela busca do conhecimento que é inesgotável. Como diz Augusto Cury p. 65: “Os educadores, apesar das suas dificuldades, são insubstituíveis, porque a gentileza, a solidariedade, a tolerância, a inclusão, os sentimentos altruístas, enfim, todas as áreas da sensibilidade não podem ser ensinadas por máquinas, e sim por seres humanos.”
          Este foi o papel do Professor John enquanto educador o de sensibilizar, o de comover, o de instruir o de construtor do conhecimento e transformador da realidade individual de cada aluno e consecutivamente da sociedade a qual estavam inseridos.
        Recomendo este filme “Sociedade dos Poetas Mortos de Peter Weir” para pais, alunos, professores, coordenadores e diretores que acreditam na educação que transforma.
          Então vamos lá, seja diferente: Aproveite o dia!



Referência Bibliográfica: CURY, Augusto. Pais brilhantes, Professores fascinantes. Ed. Sextante.


Renata Stefânia
Enviado por Renata Stefânia em 12/11/2013
Código do texto: T4567119
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Renata Stefânia ). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Renata Stefânia
São Gonçalo - Rio de Janeiro - Brasil, 24 anos
101 textos (2712 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/10/14 06:31)
Renata Stefânia



Rádio Poética