Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



Volto ao Recanto para apresentar mais uma lista. A segunda, na verdade. A primeira - sobre os melhores romances da literatura brasileira - mereceu boa repercussão, apresentando mais de 100 leituras.

Gosto de livros e de filmes. Em termos de cinema, embora aprecie quase todos os gêneros, tenho, por razões de história pessoal, uma especial predileção pelos faroestes. Explico. Quando era garoto, e morava em Salvador/BA, todas as tardes de sábado ia ao extinto Cinema Jandaia, na Baixa dos Sapateiros com o meu querido e saudoso tio Carlos Pereira Lima e lá ficava das 14:00 às 18:00h assistindo a matinê que, invariavelmente, sempre trazia em sua programação um faroeste.

Naquela época - início dos anos setenta - estava na moda o faroeste italiano, tão estigmatizado pela crítica da época e hoje, em boa medida, tornado referencial 'cult' na história do cinema. A propósito, venho publicando, aqui no Recanto, uma breve história do faroeste italiano sob o título 'ERA UMA VEZ NA ITÁLIA - A História do Western Spaghetti'. Quem quiser conferir...

Agora quero trazer à apreciação de vocês a minha lista dos melhores faroestes de todos os tempos. Evidente que, como em toda lista, injustiças seram cometidas. Só poderei elencar os filmes que assisti. Mas pretendo justificar voto a voto, trazendo, inclusive, breves informações e/ou curiosidades sobre os filmes mencionados. Esclareço que a ordem de apresentação dos filmes na lista não é aleatória. Ela representa, efetivamente, a minha ordem pessoal de preferência.

Espero que gostem. E mais que isso que apresentem comentários, sugestões, façam perguntas, elogiem e critiquem. Este 'feedback' é que faz qualquer lista valer a pena!

1 - ONDE COMEÇA O INFERNO (Rio Bravo) - 1959
Direção: Howard Hawks
Elenco: John Wayne, Dean Martin, Angie Dickinson, Ricky Nelson, Walter Brennan.
Este filme feito em 1959 - época em que o faroeste nos EUA já dava sinais de desprestígio - marca uma parceria importante na história do gênero: a de John Wayne, o velho 'Duke', talvez o ator mais emblemático do gênero e o diretor Howard Hawks.
O filme tem uma história que discute os limites da honra, da ética e da justiça. Um velho xerife (Wayne) prende um jovem infrator, filho de um grande proprietário de terras, e se vê cercado na pequena delegacia por um bando de pistoleiros dispostos a libertar, à força, o prisioneiro. Os 'honrados cidadãos' escondem-se em suas casas e o xerife só conta com a ajuda de um pistoleiro embriagado (Martin), uma dançarina de saloon (Dickinson), um jovem pistoleiro em busca de fama (Nelson) e um velhote (Brennan).
Onde Começa o Inferno é uma representação da apatia social que dominava - e ainda domina - um mundo no qual o melhor é sempre 'deixar prá lá'. E é também uma crua sátira, quase uma provocação contra os valores tradicionais esculpidos pelo cinema americano quanto à construção da figura dos seus 'heróis'. Aqui, não existem 'cowboys' de primeira linha, heróis empertigados em seus cavalos reluzentes. Como na vida real, a força e o impulso de contestação partem das pessoas mais inesperadas.
Onde Começa o Inferno, segundo o seu diretor Howard Hawks, é quase uma resposta em tons diversos para o também clássico 'MATAR OU MORRER' (High Noon).
O filme inspirou roteiros de diversos outros filmes, inclusive de gêneros diferentes, a exemplo do já clássico 'ASSALTO À 13ª DELEGACIA', de John Carpenter.

2 - ERA UMA VEZ NO OESTE (C'era una volta il west) - 1969
Direção: Sergio Leone
Elenco: Henry Fonda, Claudia Cardinalle, Jason Robards, Charles Bronson.
Aqui se vai dos EUA para a Itália. ERA UMA VEZ NO OESTE, dirigido por Sergio Leone, diretor que deflagrou o rico ciclo do faroeste italiano em 1964 com 'Por um Punhado de Doláres', é um faroeste atípico na sua narrativa, na condução estilística de imagens e de câmera, trazendo, para a tela, não só a visceralidade típica do gênero, mas, também, dando tratamento quase operístico à amplidão das paisagens e à motivação dos personagens - não por outra razão, o crítico norte-americano Roger Ebert do 'Chicago Sun Times' chama o filme de 'epic horse opera' - , alguns deles antológicos, como o vilão vivido por Henry Fonda e o misterioso pistoleiro da harmônica, talvez o mais marcante trabalho de Charles Bronson.
Para o crítico norte americano Ryan Cracknell, do Apollo Movie Guide, ERA UMA VEZ NO OESTE explora lendas e mitos em um filme que é atemporal e que, certamente, sobreviverá, como pura obra de arte, mesmo que o faroeste e os seus heróis venham um dia a desaparecer por completo.
Vale destacar que o roteiro de ERA UMA VEZ NO OESTE é de responsabilidade de pesos pesados do cinema italiano: DARIO ARGENTO, mestre do cinema de horror e suspense (O Pásaro das Plumas de Cristal, uma Noite na Ópera), BERNARDO BERTOLUCCI, célebre diretor (O Último Imperador) e o próprio SERGIO LEONE.

3 - PAIXÃO DOS FORTES (My Darling Clementine) - 1946
Direção: John Ford
Elenco: Henry Fonda, Linda Darnell, Victor Mature, Walter Brennan.
Paixão dos Fortes é um filme que assisti ainda criança e que remanesceu e remanesce em minha mente pela força e intensidade das imagens, as sólidas interpretações de Fonda e de um inacreditavelmente eficiente Victor Mature.
John Ford é um diretor que se caracteriza pela riqueza de temas e pela grandiloqüência do seu estilo de diretor. Aqui, ele narra uma história clássica do faroeste: a vida de Wyatt Earp (Fonda) e de Doc Holliday (Mature) no célebre e polêmico duelo do OK Corral.
Este tema voltou à tela algumas outras vezes, como, por exemplo, em 'SEM LEI E SEM ALMA' de John Stuges e 'TOMBSTONE' de George Pan Cosmatos, mas sem a força deste clássico inegável.

4 - OS BRUTOS TAMBÉM AMAM (Shane) - 1953
Diretor: George Stevens
Elenco: Alan Ladd, Van Heflin, Jean Arthur, Brandon de Wilde, Jack Palance.
Este filme explora, como poucos, a figura solitária e justiceira de um pistoleiro que faz justiça com as próprias mãos. Shane (Ladd) chega a uma cidade e torna-se, por acaso, protetor de uma família que se vê perseguida por um cruel proprietário de terras e seus bandoleiros, chefiado pelo frio Jack Wilson (Palance, em grande performance).
Neste processo, desperta o afeto da esposa e mãe da família (Arthur) e a admiração cega do pequeno filho do casal (De Wilde, em uma das mais célebres interpretações 'mirins' do cinema). Daí se estabelece o grande conflito do filme, que não é aquele das armas, mas sim o que se trava no campo da ética, da fidelidade e da moral, postos à prova por situações extremas de tensão e de transferência psicológicas.
Importante registrar que George Stevens não era um diretor especializado em faroestes. Em sua longa carreira, com mais de 50 filmes, OS BRUTOS TAMBÉM AMAM é o seu único faroeste.
O filme ganhou o Oscar de melhor Cinematografia e foi concorreu a 4 outras estatuetas: Melhor Ator Coadjuvante (Brandon DeWilde e Jack Palance), Melhor Diretor (George Stevens), Melhor Filme e Melhor Roteiro.

5 - O HOMEM QUE MATOU O FASCÍNORA (The Man Who Shot Liberty Valance) -1962
Diretor: John Ford
Elenco: John Wayne, James Stewart, Vera Miles, Lee Marvin.
Este filme marca, antes de tudo, o encontro de dois gigantes da tela: John Wayne e James Stewart. É também um filme que extrapola as fronteiras comuns do faroeste, ao narrar uma estória em que se discute a construção de um mito dentro de uma certa comunidade e de como a verdade simples de um fato pode ser habilmente manipulada para construir uma 'verdade absoluta' baseada em premissas inverídicas.
O pacífico Ramson Stodard (Stewart) transforma-se em um herói depois de ter vencido em duelo o malfeitor Liberty Valance (Marvin), acabando por se tornar Senador. Mas será que esta é a verdade? Neste compasso, o filme estabelece uma das 'taglines' mais conhecidas e imaginativas da história do cinema: entre a verdade e a lenda, imprima sempre a lenda.

6 - RASTROS DE ÓDIO (The Searchers) - 1956
Direção: John Ford
Elenco: John Wayne, Jeffrey Hunter, Vera Miles, Natalie Wood.
Este é um dos faroestes que frequenta, quase invariavelmente, todas as listas do gênero.
Na verdade, RASTROS DE ÓDIO é uma revisão de Ford sobre tema muito recorrente: o choque entre brancos e índios. Aqui, o célebre diretor relativiza o choque cultural, tratado sempre com tons maniqueistas, em que os indios eram vistos como selvagens, para, tecendo uma estória de ódio, frustração, busca e amor incondicional, restabelece a grandeza humana também dos até então depreciados 'pele-vermelhas'.
O filme é também um tratado sob a obsessão. Ethan Edwards (Wayne) passa anos da sua vida em busca da sua pequena sobrinha (Wood) raptada por uma tribo de índios. Nesta luta, arrasta consigo seus amigos até o limite da exaustão e do desespero, até o final inesquecível e pleno de significado.

7 - SETE HOMENS E UM DESTINO (Magnificent Seven, The) - 1960
Direção: John Sturges
Elenco: Yul Brynner, Steve McQueen, James Coburn, Eli Wallach, Charles Bronson.
Baseado no clássico Sete Samurais, de Kurosawa, este filme é um faroeste com todos os ingredientes típicos do gênero: estória frenética, grandes tiroteios, pistoleiros habilidosos, heróis contra mocinhos etc.
Um dos pontos mais conhecidos do filme é o seu tema de abertura, composto por Elmer Bernstein, que foi candidato ao Oscar de Melhor Música.

8 - MATAR OU MORRER (High Noon) - 1952
Direção:Fred Zinemann
Elenco: Gary Cooper, Thomas Mitchell, LLyod Bridges, Grace Kelly.
MATAR OU MORRER é o faroeste que trabalha habilmente com dois temas curiosos: a solidão de um homem diante de uma situação limite e a passagem inexorável do tempo.
Will Kane (Cooper) é o xerife de uma cidade que se vê cercado por um bando de pistoleiros saídos da prisão e que voltam para vingar-se dele, responsável pela prisão. Kane vê-se só e desamparado e aguarda, sob o compasso do relógio que, vez por outra, surge na tela, em tempo real, a chegada dos seus carrascos.
Filme tenso, tem sua maior força no estilo narrativo de Zinemann. Ganhou 04 oscars: melhor Ator, Melhor Edição, Melhor Música e Melhor Trilha Sonora Original.
Gary Cooper não compareceu à cerimônia do Oscar, tendo o prêmio sido entregue ao seu representante, John Wayne.

9 - O TESOURO DE SIERRA MADRE (Treasure of the Sierra Madre,The) - 1948
Direção: John Houston
Elenco: Humphrey Bogart, Walter Houston, Tim Holt, Bruce Bennett
O melhor filme de Houston. Tenso, cheio de surpresas, é uma fábula sobre a ambição desmedida e a avidez perniciosa dos homens. Excelente performance de Bogart e Houston. O filme ganhou 3 Oscars: Melhor Ator Coadjuvante (Walter Houston), Melhor Diretor e Melhor Roteiro. O ator Walter Houston, que vive o velho Howard, era pai do diretor John Houston.

10 - MEU ÓDIO SERÁ TUA HERANÇA (Wild Bunch, The)
Direção: Sam Peckinpah
Elenco: William Holden, Robert Ryan, Ernest Borgnine, Edmond O'Brien.
Violento faroeste, com uma cinematografia perfeita, um elenco impecável e um filme que já evidencia, em sua ´temática e abordagem, a influência do ciclo do faroeste italiano, notadamente no fato de que todos os 'heróis' são, na realidade, bandidos e na violência intensa das cenas de tiroteio.
Para o crítico Roger Ebert, o filme 'representa a morte e a violência em termos tão definitivos e até excessivos que acaba por, paradoxalmente, torna-se uma declaração veemente contra a própria viol~encia e uma reação a esta'.












alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 26/09/2007
Reeditado em 26/04/2013
Código do texto: T669510
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
alexandre gazineo
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 56 anos
291 textos (94537 leituras)
2 e-livros (1189 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 01:22)

Site do Escritor