Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TROPA DE ELITE

(Brasil, 2007)
Direção: José Padilha
Elenco: Wagner Moura (Capitão Nascimento), Caio Junqueira (Neto), André Ramiro (André Matías), Fernanda Machado (Maria), Fernanda de Freitas (Roberta), Milhem Cortaz (Capitão Fábio), Paulo Vilela (Edu), Thogun (Cabo Tião), Fábio Lago (Baiano), Marcelo Valle (Capitão Oliveira)..

Sinopse:

Rio de Janeiro, 1997.

A moçada  do morro estava toda numa rave funk no Morro da Babilônia. Festa regada a música alta, bebidas, drogas e com a presença dos traficantes devidamente armados com fuzis circulando pelo local. Uma viatura da polícia aparece,  e a princípio parece que tudo vai ocorrer como de costume: os policiais fazendo vista grossa para as drogas e para as armas e tudo seguindo na "paz", num pacto de convivência  possível entre as partes. Afinal, policial também tem família, tem medo de morrer e não vai entrar numa guerra se não tiver um motivo muito bom.

Mas naquele dia a paz foi quebrada...

-Que tiro é esse aí?

É o início da confusão. A moçada dispersa durante o tiroteio provocado por um disparo que não estava "combinado entre as partes" e que veio da arma de um PM aspirante que tinha optado por não participar do tal "pacto de convivência". Isso significava que ele tinha optado por entrar numa guerra.

Os "caveiras" do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) chegam ao local com a truculência habitual para pacificar os ânimos e restaurar a ordem.O BOPE é uma equipe de cerca de 100 policiais (dentro de um contingente da PM do Rio de 30 mil homens) que recebe treinamento especial exatamente para intervir quando a polícia "convencional" , mal treinada, mal equipada, mal remunerada e desmoralizada, não consegue dar jeito.

"Tropa de Elite,
Osso Duro de Roer,
Pega Um, Pega Geral,
Ela Vai Pegar Você!"

Seis meses antes...

O veterano Capitão Roberto Nascimento chega em casa de madrugada, depois de um dia intenso de trabalho, toma um gole de água gelada e vai para o quarto onde Rosane, sua esposa, que está grávida, dorme. Poucas horas depois, Nascimento já está de pé devidamente fardado com o uniforme preto do BOPE e pronto para sair, sem mal falar com a esposa e sem ter tomado café da manhã.
Rosane sente-se frustrada com a ausência do marido durante sua gravidez, ainda mais porque ele tinha combinado com ela que sairia da Tropa de Elite quando ela estivesse esperando o bebê. Mas o Capitão Nascimento não podia abandonar o BOPE assim, sem deixar um substituto à sua altura. Ele precisava achar "O Cara".

Enquanto isso, no quartel general da polícia "convencional", André Matías e Neto Gouveia, dois amigos de infância, iniciam suas carreiras como aspirantes e são designados para suas funções: Neto vai ficar na Oficina Mecânica da PM, cuidando junto com o Cabo Tião das 46 viaturas e 12 motos que precisam de reparos. André Matías  fica responsável pela recepção e pelo mapeamento das ocorrências via rádio.

O BOPE iria cuidar da segurança no Papa João Paulo II na sua visita ao Rio de Janeiro. Por isso, o Capitão Nascimento teria que adiar mais um pouco seu plano de sair da corporação.

Ao verificar um caso de roubo de peças dentro da oficina da PM e ao constatar a displicência dos demais oficiais com o assunto, o aspirante Neto fica indignado e decide bolar um plano, usando o próprio esquema de corrupção existente dentro da polícia com estabelecimentos comerciais locais para obter recursos para fazer a oficina funcionar.

Matías tenta conciliar a carreira de PM com a vida universitária, cursando uma faculdade de direito. Ao conhecer a colega de classe Maria, que tem um trabalho numa ONG junto às crianças carentes de uma das mais de 600 favelas cariocas, André sem querer iria dar início a uma série de acontecimentos que terminariam por deflagar uma tragédia.

Neto e Matías aos poucos caem na real sobre a carreira que escolheram seguir e em breve um dos dois será o substituto do Capitão Nascimento, que por sua vez dá sinais claros de esgotamento psicológico.

Bastidores (atualização): Na 58a. edição do Festival de Berlim, o filme brasileiro Tropa de Elite, de José Padilha, repetiu a façanha de Central do Brasil (1998) e conquistou o Urso de Ouro, o prêmio máximo dado ao melhor filme pelo juri internacional do Festival, que este ano foi presidido por Konstantinos Costa-Gavras, diretor grego naturalizado francês.

A proeza foi ainda maior porque um dos concorrentes ao prêmio era nada menos que Sangue Negro, de Paul Thomas Anderson, um dos candidatos ao Oscar de Melhor Filme deste ano.

AIRTON SHINTO
Enviado por AIRTON SHINTO em 08/10/2007
Reeditado em 18/02/2008
Código do texto: T685586
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
AIRTON SHINTO
São Paulo - São Paulo - Brasil
91 textos (53939 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 02:46)