Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Iluminação e Magia X - GIORDANO BRUNO

                 GIORDANO BRUNO



“E amanhã a chuva levará
O sangue que a luta deixou derramar
Na pele a dor do aço tão cruel
Jamais a nossa voz vai calar

Um ato assim pode acabar
Com uma vida e nada mais
Porque nem mesmo a violência
Destrói ideais

Tem gente que não sente
Que o mundo assim
Ficará frágil demais

Choro eu e você
E o mundo também, e o mundo também
Choro eu e você
Que fragilidade, que fragilidade...”
(Letras da bela canção “Frágil”, do cantor e compositor Sting)



     Filósofo, astrônomo, matemático, estudioso da memória humana, enfim, um autêntico pensador, o monge italiano Giordano Bruno [1548-1600] destacou-se na história do pensamento ocidental como um mártir na defesa da liberdade de idéias contra os dogmatismos da Igreja Católica em fins da Baixa Idade Média – portanto, em época de horrores instaurados pela Inquisição.
     Pregando idéias inconcebíveis para o poder eclesiástico daquela ocasião – idéias, aliás, precursoras do pensamento filosófico moderno -, Giordano Bruno, na qualidade de defensor da magia natural, da reencarnação e da astrologia, não demorou para cair nas malhas da Santa Inquisição. Assim, morreu queimado na cidade de Roma, em 1600.
     Por conseguinte, dando seqüência aos disparos contra a intolerância e a opressão, o diretor do filme “Giordano Bruno”, Giuliano Montaldo, consegue extrapolar no personagem Giordano Bruno (personagem histórico interpretado, de forma intensa, pelo ator engajado Gian Maria Volonté) a mera história da condenação de um herege renascentista. Nesse sentido, o objetivo de Montaldo é, na verdade, discutir todas as formas de inquisições de qualquer tempo: nisto consiste a atualidade do filme, consoante palavras do crítico cinematográfico Rubem Ewald Filho.
     De outra parte, memorável é, no referido filme, a passagem em que Giordano Bruno é acusado de comodismo por um amigo, por tão-somente defender os prazeres humanos. Giordano Bruno, contrariado, responde, então, nos seguintes termos: “_ A filosofia jamais é cômoda.”; verdade, aliás, que Bruno experimentaria na carne e que viria a lhe custar a própria vida.
     Por fim, todo o sofrimento de Giordano Bruno é uma representação ou um retrato do martírio pelo livre pensar.
    “Giordano Bruno” é uma produção cinematográfica franco-italiana, de 1974. A direção do filme é de Giuliano Montaldo. O elenco é composto pelos seguintes atores e atrizes: Gian Maria Volonté, Hans Christian Blech, Mathieu Carrière, Charlotte Rampling, dentre outros.


PROF. DR. SÍLVIO MEDEIROS
    verão de 2005
SÍLVIO MEDEIROS
Enviado por SÍLVIO MEDEIROS em 28/12/2005
Reeditado em 28/12/2005
Código do texto: T91432

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor (Prof. Dr. Sílvio Medeiros) e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/silviomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
SÍLVIO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 61 anos
267 textos (351982 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:35)
SÍLVIO MEDEIROS