Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOB A NÉVOA DA GUERRA, de Errol Morris

SOB A NÉVOA DA GUERRA, de Errol Morris

Robert  McNamara, uma das mais importantes figuras norte-americanas no mundo moderno , relembra passagens da sua vida, dentro e fora do governo, muito bem acompanhadas de um roteiro com suas 11 máximas estratégicas.
O livro The fog of war: eleven lessons of Robert McNamara,EUA/2003, se não é um sucesso de vendas, o é em transmissão de alertas. Principalmente a quem ocupa os cargos no mais alto nível de governo.
De início surge o universo de onde os norte-americanos selecionam seus homens para a máquina governamental: nas suas melhores faculdades/universidades, capitães destacados de indústrias e por aí vai. Ou seja, valorizam o estudo e o preparo individual ao mesmo tempo que prestigiam suas escolas mais importantes. Não que isso os exima de erros históricos  por terem, os americanos mais bem dotados intelectualmente e fortes na competição, que os americanos tanto prezam, conduzido o país a determinados patamares.
Convivendo com as mais graves crises da década 60/70, e de dentro da máquina  governamental, McNamara relata os bastidores de uma forma muito peculiar e muito ao estilo americano, ou seja, reconhecendo os erros e procurando aprender com eles. Aliás, esta uma de suas máximas, mas que na realidade, nos aponta a Bismarck.
Vivia-se a época da Guerra Fria , que demarcou de forma muito forte o séc XX com embates armados ou não, nos quais, as superpotências político-militares , se utilizavam dos seus “satélites”, pra atuar. Não eram guerras ou conflitos declarados, mas sabia-se que um lado estava totalmente apoiado por uma das superpotências. A diplomacia e os serviços secretos portavam-se e atuavam como se estivesse ocorrendo ou na eminência de uma verdadeira guerra.  O mundo ainda pouco sabe do que acontecia nos bastidores dos governos envolvidos.
McNamara trouxe á tona alguns fatos e decisões eivadas de conceitos calcados nas principais escolas estratégicas, com destaque para SunTzu e Clausewitz, este principalmente, pois é parte integrante da mentalidade  da estratégica americana- mentalidade guerreira que se faz presente inteira no filme.
Embora a intenção fosse clara do governo americano- a de evitar a guerra- os acontecimentos, naquele período,  literalmente trituraram o pensamento do Secretário de Defesa. A lógica da guerra foge á lógica dos fatos comuns tal a magnitude das causas que a envolvem. Sim, pode-se dizer causas, pois aspectos que aparentemente nada tem a ver com o principal, rapidamente assumem proporções assustadoras e incontroláveis. O ex- Secretário de Defesa da nação mais poderosa da Terra apresenta uma das suas máximas nessa direção: a busca da empatia com o inimigo. Justamente a isso se referiu o diretor do filme ao receber o Oscar na sua categoria: um dos líderes da guerrilha pós-ocupação americana no Iraque argumentou que não só lutam contra os americanos mas contra todos que não desejam a independência do Iraque. Nada mais do que uma repetição da expressão de um líder vietnamita muitos anos atrás. Trocando em miúdos, a lição do Vietnam foi assimilada mas não aplicada.
Com as 11 lições de estratégia, McNamara também nos coloca ao par da escolha e  do preparo dos dirigentes para os cargos de mais alto nível da nação e sua situação após os fatos : se os mais bem preparados e melhor dotados intelectualmente erram, o que será da nação comandada por mal preparados e pouco dotados?
Pode-se identificar, e muito bem , a responsabilidade do civil McNamara com todos os ditames do poderosa máquina de guerra americana e com os interesses do país.
Mais do que as máximas estratégicas nos aponta na direção da irracionalidade da guerra e sua capacidade de sobreviver a lógica que a causou e conduz. É aí que reside a maior lição para os políticos.

                                                                                                                                     FLAVIO MARTINS PINTO
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 01/01/2006
Reeditado em 14/09/2006
Código do texto: T93224

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94169 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:28)
FLAVIO MPINTO