Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Memorial de Maria Moura


Neste livro excelente, a escritora cearense R. de Queiroz mostra-se mestra em, no mínimo, dois pontos. O primeiro é a trama em si, o conjunto de fatos concebidos por ela que, juntos compõem uma grande estória.. Outro ponto é a forma de contar essa estória: um retrato irretocável da vida rural no Nordeste. O livro conta a vida de Maria Moura, órfã que, ainda jovem, mete-se em brigas com seus primos, por uma questão de herança de terra. Cercada pelos parentes, que pretendiam seqüestrá-la e tomar suas posses, a moça incendeia a própria casa e sai pelos fundos, fugindo com pouca bagagem e um ou outro “cabra” fiel. A partir daí, ela se embrenha no mato, organiza roubo, constiui morada, planta, manda matar, associa-se, cria gado e faz todo o possível para se tornar uma fazendeira rica, poderosa e temida.

Raquel escreveu o livro em primeira pessoa. Assim, a estória é contada por quem a viveu, e o leitor se delicia com a mudança constante de ponto de vista: ora fala a personagem Marialva, ora o Beato Romano,e , no mais das vezes, a própria Moura conversa com o leitor. É quase possível vê-la, sentada no batente da fazenda, dentro de suas calças de homem, contando os causos de sua vida.

Mas o fato é que essa dinâmica entre os 3 narradores torna a obra tão envolvente, que as folhas correm pelos nossos olhos como se tivessem vida própria. Ademais, não se pode dizer que o livro traz uma estória: são pelo menos 3, uma contada pelo padre que pecou com uma paroquiana e virou beato, outra pela mulher do saltimbanco, outra pela moça que incendiou a casa e virou vaqueira. Escusado dizer que as 3 versões acabam se juntando. Entrelaçadas, formam um painel de nordestinidade que Rachel soube pintar muito bem.

E, mesmo correndo o risco de ser prolixa, ainda afirmo que todo nordestino devia ler e se orgulhar. Acostumados que estamos a referenciais externos, é sempre bom e quase engraçado achar na literatura a nossa linguagem, escrita por quem é de cá. (Só nós pra entender expressões como “a casa das quengas”...)

Adaptado com sucesso pela Rede Globo, e menos lido do que deveria, esse romance é boa leitura para qualquer um e orgulho para o nordestino. (Sem esquecer que, se Maria Moura é “arrochada”, Raquel não fica atrás, já que foi a primeira moça a sentar seu tamborete na Academia Brasileira de Letras).
Jéssica Callou
Enviado por Jéssica Callou em 20/04/2006
Código do texto: T142451
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Jéssica Callou
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 28 anos
44 textos (139777 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:04)
Jéssica Callou