Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENTERREM-ME EM PÉ (A longa viagem dos ciganos)


“...A água não olha pra trás.
Foge, corre mais longe,
Onde olhos não a verão,
A água que vaga.’
Papusza

Sempre percebi os ciganos com os olhares romanceados da literatura e da música. Um povo nômade que se mantém à margem do mundo, resguardando seus costumes e tradições.  Mas a idealização começou a ser rompida logo nos primeiros capítulos do livro de Isabel Fonseca – Enterrem-me em pé (A longa viagem dos ciganos) - e o universo cigano se apresentou de forma muito mais profunda e instigante.

A pátria do cigano é a sua língua (romani) e seu continente a extensão da memória dos ancestrais. A história dos ciganos é repassada pela oralidade. A arte de contar histórias e fabular é valorizada e, muitas vezes, a narrativa assume uma versão fictícia. A origem dos ciganos, provavelmente a Índia, não é um elemento de preocupação para os ciganos, para eles o ir e vir é a possibilidade do encontro e não importa de onde ou para onde.

O romani é uma língua falada. Não há dicionários ou certezas quanto à grafia. A maioria dos ciganos é analfabeta o que explica a ausência de livros literários e didáticos em romani. A música também é transmitida pelo ouvido, pois, não há a prática de notação, e influenciou compositores consagrados como Brahms e Litsz.

Contudo, encontramos Papusza, nome cigano de Bronislawa Wajs, que significa “Boneca”. Papusza era uma cigana polonesa nômade, nascida no início do século XX, que integrava uma caravana (Kumpania) de harpistas. Ela, transgredindo as regras, aprendeu a ler e escrever escondida e, em 1949, teve seus poemas descobertos e traduzidos pelo poeta Jerzy Ficowski. Papusza escrevia e cantava sobre suas vivências. Ela deu um testemunho imperioso sobre o porraimos (a devoração), extermínio dos ciganos nos campos de concentração nazistas, e sobre a vida escondida nas florestas durante a guerra na longa balada intitulada “Lágrimas de Sangue: tudo o que passamos sob o domínio alemão em Volhynia nos anos 43 e 44”.

Como em todas as canções ciganas, a nostalgia era um tema recorrente nos poemas de Papusza: “Ninguém me compreende,/Só a floresta e o rio./Aquilo de que falo/Passou, foi embora,/E levando junto todo o resto.../E os anos de juventude.”

Ficowski apoiava o assentamento dos ciganos e utilizou os poemas de Papusza como propaganda. Papusza foi acusada, pelos ciganos, de ter colaborado com um gadjo e foi julgada por Baro Shero, a mais alta autoridade dos roma. Foi declarada mahrime (impura) e foi condenada a exclusão do grupo. Depois de alguns meses internada num hospital psiquiátrico, ela viveu trinta e quatro anos, até a sua morte em 1987, sozinha e isolada.

Ao contrário do estereótipo romântico do espírito livre, a lei cigana é severa e proíbe a emancipação dos indivíduos em favor da preservação do grupo. Papusza foi condenada à morte em vida sem direito a perdão.

Isabel Fonseca descobriu que a melhor forma de conseguir respostas dos ciganos é não fazer perguntas. Como uma observadora silenciosa, vivendo entre eles, resgatou a cultura milenar, a exclusão das chamadas minorias raciais e a inserção de ciganos instruídos e sofisticados nos contextos intelectuais mundiais, lutando pelo reconhecimento dos direitos humanos do povo cigano e pela valorização da sua cultura, como, por exemplo, o etnólogo Andrzej Mirga que ressuscitou Papusza num filme e numa série de concertos e o ativista Nicolae Gheorghe que trouxe a discussão dos ciganos para o cenário internacional.

Ao lado do exotismo, existe a adaptação. Hoje os poetas ciganos publicam suas obras em romani e em outras línguas. Na Romênia e na Macedônia existem programas de televisão em romani e há uma geração de editores de revistas e jornais.

Os nomes das famílias ciganas identificam a profissão ou a região de origem: Kalderashi (caldeireiros), Lovara (negociantes de cavalos), Ursari (treinadores de ursos), Matchiwaia (da Iugoslávia).

A autora descreve os marcos da vida dos ciganos com os rituais: o nascimento, o batismo, os casamentos prometidos e a morte. Como o povo nômade, Isabel ultrapassa as fronteiras e relata a existência dos ciganos em vários países da Europa Central e Oriental. Mostra alguns bem sucedidos, outros, nas estações européias a espera de um destino. Poucos privilegiados, muitos marginalizados, condenados a vagar sem reconhecimento, focalizados pelos ódios étnicos. Seja na Albânia, na Romênia ou na Polônia encontramos o povo unido pela língua, pelos casamentos acordados entre as famílias e pelas histórias contadas pelos valorizados anciões.

Alguns conceitos causam estranhamento: a ambivalência do ato de economizar e a revelação das fortunas sem timidez: cigano rico é o que gasta mais e não o que economiza; a hierarquia das famílias com a inserção das noras ainda meninas “subordinadas” à sogra; a obsessão pela limpeza interna; a importância da sorte e do destino; o dom das mulheres para a adivinhação do futuro; a importância da virgindade comprovada no lençol; o respeito às superstições; a procriação ilimitada como um sinal de sorte; a ausência de heróis ciganos de liberação ou fundação da nação cigana ou de mitos sobre a origem do mundo; a inexistência de fronteiras rompendo com os mapas do imaginário coletivo; a forte presença do sentimento de solidariedade...

A declaração de Manush Romanov, ao final de uma visita aos ciganos em Sófia, sensibilizado com as condições do seu povo, transcrita pela autora, é significativa: “Enterrem-me em pé. Passei de joelhos toda a minha vida”.

O livro de Isabel Fonseca, além de um elaborado resgate histórico, é uma grande homenagem ao povo transnacional e globalizado que há milênios desperta a curiosidade do mundo.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 16/05/2006
Reeditado em 16/05/2006
Código do texto: T157109
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789871 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 11:06)
Helena Sut

Site do Escritor