Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto




Um dos mais importantes graus da maçonaria pelo valor iniciático que encerra, é o grau 21, chamado Cavaleiro Prussiano ou Noaquita. Sua inspiração filosófica, que é francamente gnóstica, evoca os antigos cavaleiros teutônicos.
Os cavaleiros teutônicos, da mesma forma que os templários, também estão ligados a uma larga tradição de esoterismo, misticismo e feitos heróicos. É dessa Ordem de Cavalaria que se originam a maioria das lendas do Santo Graal.
Este grau consagra as virtudes do homem maçônico, em oposição ao super homem das tradições nazistas. Por isso iremos encontrar em seu ritual uma grande profusão de referências à tradições alemãs. Essa também é a razão desse grau ter sido introduzido na Maçonaria pelos maçons alemães, na época do Imperador Frederico II da Prússia.

A cidade consagrada

Em nossa opinião,  foi o espírito de verdadeira Irmandade que permitiu aos judeus, descendentes e herdeiros da tradição dos Filhos de Israel, continuarem a praticar uma filosofia e uma forma de vida diferenciada através da história dos povos. Essa filosofia os manteve unidos através das diversas provações pelas quais aquele povo tem passado ao longo da sua história. E os colocou em oposição a outros povos, especialmente os de origem nórdica, na disputa pela verdadeira pureza racial.(1) 
Segundo a lenda do grau, desde que Seth, o filho dileto de Adão, recebeu o título de primeiro maçom, pela cidade que construiu em homenagem a seu filho Enos, cidade que ele chamou de Consagrada, a arte de construir tornou-se o símbolo da construção do edifício universal, que é a sociedade humana. (2)
Por isso é que a maioria dos ascendentes e descendentes de Noé estão conectados com as lendas da Arte Real, pois segundo a tradição maçônica mais antiga, Noé foi escolhido pelo Grande Arquiteto do Universo para reformar o edifício terrestre da humanidade, da mesma forma que Moisés instituiu a idéia da Fraternidade terrestre.(3)

A origem do mito do super homem

É sabido que alguns autores nazistas muito influentes nas primeiras décadas do Século XX, reivindicavam para os alemães uma descendência direta de Noé, através de seu neto Gomer, filho de Jafét. Essa tradição, verdadeira ou não, inspirou os teóricos do nazismo na montagem da teoria racial que levou mais de seis milhões de judeus e mais outro tanto de latinos, eslavos e outras raças aos campos de concentração e à morte durante os horríveis anos de ascensão e queda do Terceiro Reich alemão.
Essa tradição situa a origem dos povos teutônicos na Ásia Central. A partir do Dilúvio, tendo como fundador um dos filhos de Noé, Jafét, eles se distribuíram por diversas tribos, dando origem a vários povos, mais tarde conhecidos como germânicos, celtas,indos, jônios, aqueus, etc. Esses povos, chamados geralmente de arianos, de raça branca, ocuparam as planícies da Europa Central e várias regiões da Ásia, dali se espalhando por toda a terra.
De acordo com os teóricos da supremacia da raça ariana, esses povos eram os responsáveis por tudo de bom que havia na civilização. Entre os povos teutônicos havia os germânicos, “raça pura”, que não havia se contaminado na misticigenação promovida pelo desenvolvimento do Império Romano.
Além dos germânicos, somente outra raça havia mantido a pureza do sangue: os judeus. Mas estes eram degenerados morais, que perverteram a história e os grandes mitos do passado para justificar os crimes que praticaram contra a humanidade. Esse crime consistia principalmente na divulgação de mitos religiosos incompatíveis com o desenvolvimento do espírito humano, pois submetia a mente humana a uma escravidão psicológica, representada pela imposição de um Deus ciumento, intolerante, preconceituoso e castrador de todas as esperanças de grandeza do homem.
Para eles, o deus de Israel era inimigo do verdadeiro humanismo e conspirava contra o desenvolvimento da civilização. Nesse sentido, a verdadeira religião era aquela que valorizava os grandes mitos do passado, especialmente a saga dos heróis arianos, entre os quais se encontravam os mitos gregos e germânicos.(5)
Para Nietschze, por exemplo, um dos filósofos mais influentes do século XIX, o Judaísmo havia deformado a história da humanidade, transformando-a numa involução. Na opinião dele, o Cristianismo, que nada mais era que uma continuação do Judaísmo, não passava de uma religião de escravos espirituais que se conformavam com a pobreza, a escravidão e a ignorância, em troca da promessa absurda de outra vida num paraíso inexistente. Os cristãos eram larvas e seu deus um “pastor de larvas”, que ensinava uma compassividade que induzia à fraqueza, uma benevolência que produzia a permissividade, e a tolerância que enfraquecia o caráter.(6)

A lenda do Grau 21

Conta-se que os descendentes de Noé, não confiando muito na promessa de Deus, expressa através do arco-iris, de que não haveria mais dilúvios sobre a terra, intentaram construir uma torre para se abrigarem, caso Ele resolvesse castigar novamente a humanidade com outro dilúvio.
A partir dessa torre desenvolveu-se uma cidade, onde seu rei, Nenrod, “poderoso caçador perante o Eterno”, começou a fazer a distinção entre os homens, atribuindo a cada um os seus direitos e deveres. A essa cidade ele chamou de Babel, pois essa era a cidade de todos os povos e línguas, onde se adorava a verdadeira divindade.
Como a consagração da cidade ocorrera numa noite de lua cheia, os cavaleiros Noaquitas adotaram a tradição de realizar suas assembléias anuais na lua cheia de março.
No rito Escocês a lenda tem algumas variáveis e evoca tradições gnósticas que o rito adoniramita não integrou. No rito Escocês, a Torre de Babel aparece como um santuário construído antes do Dilúvio, que visava alcançar os sete céus da tradição gnóstica. É evidente que as diferenças rituais refletem as variantes filosóficas adotadas pelos diferentes povos, mas a alusão a Nenrod, como “o primeiro rei a estabelecer distinção entre os homens” é bastante significativa, dado ao fato já observado do referido grau ter nascido entre os alemães. (8)

O ensinamento do grau

O que se pretende, no entanto, no ensinamento do grau, é alertar o obreiro da Arte Real contra os sentimentos da arrogância, malicia, infidelidade, vaidade e orgulho. Por isso as referências á Torre de Babel, tendo em vista que na simbologia da Biblia, ela foi um monumento erguido para dar vazão ao sentimento de orgulho e vaidade dos homens, e também a citação feita às cidades de Sodoma e Gomorra, símbolos da corrupção, perfídia e da arrogância humana, que foram, por isso mesmo, destruídas pelo Grande Arquiteto do Universo.
Sabemos que nem sempre o Templo do Rei Salomão foi a alegoria chave para o desenvolvimento do catecismo maçônico. Essa primazia, segundo o Manuscrito Régius cabia á Torre de Babel, sendo o rei Nenrod e não Salomão, o primeiro monarca a patrocinar a Maçonaria operativa. Diz-se que foi aquele rei que primeiro dividiu os trabalhadores da construção em aprendizes, companheiros e mestres, criando palavras de passe, toques e outras formas de distinção entre suas gra-duações. 
É  a tradição cavalheiresca legada pelos cavaleiros teutônicos que inspira a maior parte da liturgia do grau. Embora todo o conteúdo do ritual esteja centrado na reconstrução do Templo de Jerusalém, os ensinamentos que ali se propagam buscam muito mais efetuar uma ligação entre os objetivos das Ordens de Cavalaria que foram criadas na Terra Santa e os judeus da época da primeira reconstrução, do que, propriamente, evocar a missão de Zorobabel. Essa é, na nossa opinião, uma tentativa de conciliar a tradição judaica-cristã com as tradições arianas, visivelmente prjudicadas com as teses anti-semitas.
.
A moral desenvolvida no ensinamento do grau denota também a sua origem prussiana. Historicamente, os prussianos sempre foram criticados pelos demais povos europeus pela sua arrogância, seu orgulho e suas tendências francamente militaristas. A idéia de supremacia racial, que sempre se associou aos alemães, especialmente os de origem prussiana, tem sido geratriz de muitos ressentimentos e não raras vezes, de violentos conflitos, como os que resultaram nas duas guerras mundiais. Parece-nos que os maçons da época de Frederico II já tinham consciência desse fato e procuraram, de alguma forma, desenvolver um catecismo cuja intenção era combater essa idéia, colocando os temas da vaidade, do orgulho, da arrogância e do egoísmo sobre um cerrado fogo moral.(10)
É nesse sentido que na variante do Rito Escocês procurou-se exaltar outros sentimentos mais consentâneos com as virtudes cristãs, que os teóricos do anti-semitismo sempre tentaram desqualificar. (11)

O super homem e o homem maçônico.

Como já dissemos, foi o filósofo Nietzsche que melhor transmitiu a idéia de superação das virtudes cristãs pelas qualidades guerreiras, que ele entendia ser o que de melhor existia no homem. Na tonitruante linguagem bíblica que ele utilizou para escrever o seu mais famoso livro, "Assim Falava Zaratustra," ele diz “ Deveis amar a paz como um motivo para novas guerras, e mais a curta paz que a prolongada/ Não vos aconselho o trabalho, mas a luta. Não vos aconselho a paz, mas a vitória. Seja vosso trabalho uma luta, seja vossa paz uma vitória!./ Não é possível calar-se e permanecer tranqüilo senão quando há flechas no arco; não sendo assim, questiona-se. Seja vossa paz uma vitória./ Dizei que uma boa guerra é a que santifica também a guerra? Eu vos vos digo: a guerra justa é a que santifica todas as coisas/A guerra e o valor realizaram coisas mais grandiosas do que o amor ao próximo. Não foi a vossa piedade mas a vossa bravura que até hoje salvou os náufragos/ Que é bom? – perguntais. Eu digo – Ser valente. Deixai as moças dizerem: “ Bom é o belo e o meigo”/ Chamam-vos gente desapiedada; mas o vosso coração é sincero, e a mim agrada-me o pudor da vossa cordialidade. Envergonhai-vos do vosso curso, e os outros se envergonham do seu regresso./ Sois feios? Pois bem, meus irmãos; envolvei-vos no sublime, o manto da fealdade./ Quando a vossa alma cresce, torna-se arrogante, e há maldade na vossa ascensão. Conheço-vos.” (12)

                                 
Em franca oposição ás virtudes do “super homem” de Nietzsche, o “homem maçônico” do grau 21 combate o orgulho porque ele conduz á prepotência; Desestimula a vaidade porque esta é irmã da inveja; despreza o egoísmo porque ele nos conduz á subserviência e á desafeição por tudo que seja ele mesmo; pratica a humildade, pois nela está o reconhecimento de que ele não é perfeito e precisa constantemente evoluir; Venera a Deus e estima os valores que fazem um homem ser justo; controla suas paixões e as faz trabalhar em prol do desenvolvimento pessoal e coletivo; pratica a virtude como forma de vencer o vício, acatando as leis, mostrando-se justo em todos os atos e reservado com todos, sobre o aprendizado dentro dos ensinos maçônicos” (13)
Assim embuídos dessas virtudes, podem os Cavaleiros Noaquitas, agora temperados pelos ensinamentos de Cristo, aspirar ao degrau seguinte, que fará deles construtores, guardiões e chefes do Tabernáculo mosaico, repositório da verdadeira sabedoria que Deus legou aos seres humanos.
_________________________________________________________________

Excerto extraído do Livro " Construtores do Universo", de nossa autoria, a ser publicado proximamente.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 04/01/2010
Reeditado em 22/02/2010
Código do texto: T2011107
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
João Anatalino
Mogi das Cruzes - São Paulo - Brasil, 69 anos
1630 textos (558169 leituras)
7 e-livros (4483 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/11/14 09:44)
João Anatalino

Site do Escritor



Rádio Poética