Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Atlantis - DAVID GIBBINS

Atlantis - DAVID GIBBINS

Editora: Planeta do Brasil
ISBN: 8576651416
Ano: 2006
Edição: 1
Número de páginas: 438
Acabamento:  Brochura
Formato: Médio


Atlantis veio na onda aberta pelo mundialmente famoso Dan Brown. Que conseguiu revitalizar o mercado editorial com um misto de mitos, explicações de segredos por meios modernos e ação com uma ficção gostosa de ler. Sem pretensões literárias maiores caiu no gosto popular que não exige muito da elaboração da obra, mas que quer ser envolvido e gostar da leitura.

No embalo do apoteótico O Código Da Vinci vieram inúmeros romances que exploravam o tema diretamente a partir das elucubrações teoréticas erigidas pelo Código. Veio uma torrente de livros sobre merovingios, judas, cristos, reformulações de segredos seculares etc.

Nesse volume trata-se ficticionalmente da possível descoberta do mundo perdido da Atlântida que mencionado apenas por Platão em um de seus livros abre um fosso em que o imaginário de pesquisadores, agitadores e cientistas da história se algazarra em teorias que não podem ser comprovadas.

Pelas notas ao final do livro percebemos muitos detalhes que estão sendo descobertos que são inquietantes e como estamos em uma época em que as explicações místicas ruíram uma interpretação plausível e provável é mais aceitável que uma que relegue aos céus sua origem.

O autor consegue nos passar sua mensagem enquanto explora as aventuras de seus personagens pesquisadores. Embalado em um ambiente totalmente atual em que a globalização impõe novos métodos de exploração e segurança dá um tom de urgência a maioria dos acontecimentos muito favorável ao clima proposto pelo livro.

A mensagem que vi no livro, que eu acho a principal superando talvez a existência ou não da Atlântida, é como que estamos longe de saber o que ocorreu nos primórdios de nossa sociedade. Isso trás implicações muito sérias no nosso modo de ser e ver o mundo.

Não no fato de sabermos-nos descendentes de um único povo, isso já é até plausível pela evolução das espécieis que Darwin introduz muito bem, mas o de creditar erroneamente ao campo místico ou transcendental uma realidade que apenas é desconhecida.

Ele propõe uma forma cautelosa de comedida de ver nosso passado e não apenas imaginá-lo como mágico. Antigamente povos com pouco conhecimento prático e sensível do mundo poderia creditar muitas coisas ao além, ao supra humano que na verdade eram apenas fatos desconhecidos e qualquer erro nesse sentido compromete visivelmente todo um arranjo de nossa realidade, já que para quase metade da população mundial o sentido religioso da história conta muito como agimos e interagimos hoje.

Envolvendo até pessoas que estão nos altos escalões do controle de sociedades modernas que por esses distúrbios de ilusão acabam rumando suas super-sociedades e consequentemente o mundo a cantos obscuros da ação e destruição.

Se chegarmos a comprovar no futuro toda a veracidade da Bíblia como fatos concretos que aconteceram e foram ao longo de milênios sendo criados com aura mística que papel nós faremos perante a nós mesmos quando vermos que por ignorância, falta de paciência e animalidade nossa nós conseguimos destruir tanto de nosso único mundo, pelo menos ainda o único em que podemos viver?

Veremos os ser como um misto de assombro e repugnância? Perguntar-nos-emos se alguém que tivesse o bom senso não tentou tirar ou rumar sua sociedade para caminhos menos cruéis?

O livro no fundo levanta essa questão no meu modo de lê-lo.

Encorpado com uma gama muito grade de descrições de tecnologias, aparatos e construtos o ritmo fica meio comprometido em certas horas, já que nós não somos maníacos por tecnologia avançada militar e por mais interessante que seja conhecermos as mais recentes tecnologias disponíveis em um livro que presa contar uma estória envolvente peca um pouco por esse excesso.

Em contrapartida, a imaginação e a coesão das explicações sobre o possível povo da Atlântida e sua provável localização criam um ambiente fictício perfeito para você entrar na estória a ponto de acreditar que aquilo realmente pode ser verdade. O que dá uma aura muito agradável na leitura contagiando o imaginário do leitor.

Sem grandes pretensões do modo estrutural as coisas acontecem naturalmente e sem que todo um arranjo especial seja artificialmente criado para que nos faça gostar mais ou menos de certas coisas e personagens. Alguns podem creditar um pouco à divisão de personagens um tom maniqueísta, mas creio que seja verdadeiro o modo de agir quase desumano de certas pessoas que vivem em ambiente estéreis, sentimentalmente falando.

Com um desfecho muito conclusivo e deixando espaço para se pensar sobre o tema o livro é um passa tempo que vale o tempo e dinheiro investidos.
leandroDiniz
Enviado por leandroDiniz em 03/09/2006
Código do texto: T231649
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandroDiniz
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 34 anos
260 textos (273084 leituras)
3 e-livros (430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:26)
leandroDiniz