CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Pedagogia da autonomia - Paulo Freire

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA - Saberes Necessários à Prática Educativa - Paulo Freire (1996)

152 páginas

Editora Paz e Terra – 1ª edição – 2002 / 37ª edição – 2008.

A obra aborda a ideologia de Paulo Freire sobre a prática educativa, apresentada como um otimismo consciente e esperançoso por mudanças que privilegiem as classes menos favorecidas. Tece suas críticas sobre o sistema neoliberal por seu determinismo e condena as mentalidades fatalistas e o conformismo.

Na busca da construção da autonomia do ser, educar é construir, libertar o ser humano, reconhecendo que a História é fundamental, pois consiste nas possibilidades dessa construção que deve ser norteada pelo “pensar certo”, isto é uma reflexão crítica e prática em busca de uma ética universal. “Formar é muito mais do que puramente treinar o educando no desempenho de destrezas”.

Apresenta, inicialmente, a prática pedagógica que considera necessária para que o professor desenvolva a autonomia dos seus educandos, enfatizando a necessidade do respeito ao conhecimento que o aluno traz para a escola, uma vez que ele é um sujeito histórico-social e possuidor de vários saberes aprendidos em seu cotidiano.

O primeiro capítulo: Não existe docência sem discência, propõe a discussão sobre os saberes fundamentais para a prática educativo-crítica ou progressista, abordando a necessidade do professor estar aberto a aprender com a realidade de seus educandos e que esteja consciente de seu papel em sala de aula, o que demanda uma metodologia rigorosa de trabalho.  O preparo das aulas é importante  para que mostre aos alunos a importânia da pesquisa como instrumento do desenvolvimento do pensamento autônomo. O autor faz um alerta para que os professores não se acomodem  na educação “bancária”, mas que estimulem a criticidade sobre as pequisas.  Defende que a metodologia a ser usada em sala  é  aquela que melhor atender às necessidades do desenvolvimento de seus educandos, sem discriminação e sem rigidez. Para isso, o professor deve sempre rever sua  prática para  adequar a metodologia a ser  usada  e não ter receio de  mudar quando for necessário. Aborda ainda que  ensinar exige o reconhecimento da identidade cultural, de sua construção  ao longo da história e  o respeito à diversidade.

No segundo capítulo: Ensinar não é transferir conhecimento, o autor defende que o professor não é o dono da verdade, tudo pode ser questionado, pois não há conhecimento acabado, assim como o homem não está acabado. Somos eternos aprendizes, caminhantes no conhecimento, pois o ser humano é um ser condicionado que se desenvolve ao longo do tempo, conforme a história e cultura.  Cabe assim ao professor levar o aluno à reflexão de sua própria existência, respeitando o momento de aprendizagem de seus alunos e a realidade em que vivem. Acredita que aqueles que se dedicam ao trabalho das licenciaturas têm  espírito otimista, pois através do seu trabalho podem ajudar a melhorar o mundo. Acreditar na mudança é uma prerrogativa do educador, pois é  o primeiro a mudar  e,  sendo exemplo, estimula seus alunos a  mudarem a  forma de pensar. Todo educador deve ser curioso e estimular a  curiosidade, pois dessa forma poderá estimular o conhecimento em diversas áreas. “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou sua construção”, desse modo, a reflexão crítica sobre a prática pedagógica torna-se extremamente necessária para que  a relação teoria/prática seja verdadeiramente significativa.

No terceiro capítulo Ensinar é uma especificidade humana, a abordagem feita é sobre a necesidade da boa preparação e qualificação do professor para que exerça seu trabalho com segurança. Enfatiza que para o professor ajudar o educando a superar a sua ignorância, antes  deve superar as suas, aprendendo ao longo do processo de ensino-aprendizagem realizado com o aluno. Para tanto  é preciso que esteja aberto às apreciações dos alunos sobre, inclusive, sua prática pedagógica, pois ensinar  exige uma tomada de consciência, de  ações e decisões. Cabe assim ao professor exercitar a escuta para aprofundar a sua arte da docência.  Ao escutar, ele dá voz ao outro. Dar voz ao outro e ouvir implicam numa postura  afetiva e numa postura dialógica onde a política e a ética se fazem presentes. Daí a sua defesa de que não existe neutralidade na educação. “ É preciso que desde o começo do processo, vá ficando cada vez mais claro que, embora diferentes entre si, quem forma e re-forma ao formar e quem é formado forma-se e forma ao ser formado” ( 2002, p.25). Defende que o ideal seria o aluno possa participar daavaliaçãodoprofessor, pois o trabalho do professor é o trabalho com os alunos e não dele consigo mesmo.

“A responsabilidade do professor, de que às vezes não nos damos conta, é sempre geande. A natureza mesma de sua prática eminentemente formadora, sublima  a maneira como a realiza. Sua presença na sala é de tal maneira exemplar que nenhum professor ou professora escapa ao juízo que dele ou dela fazem os alunos. E o pior juízo é o que considera o professor uma ausência na sala” ( 2002, p. 73)

A obra é um importante instrumento para  todos os envolvidos no sistema educacional. A linguagem é simples e clara. Apresenta relatos de vivências do autor que mostram a sua esperança e paixão por educar. Longe de ser ingênua, é fruto de longos anos de experiência  e reflexão séria sobre as necessidades para a realização de um processo educacional realmente valoroso na construção da autonomia do indivíduo e na construção da identidade de um povo.

……………………………………………………………………………………………………………………………
Regina Roppa Evilasio
Enviado por Regina Roppa Evilasio em 02/03/2011
Código do texto: T2824631
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Regina Roppa Evilasio
Guaratinguetá - São Paulo - Brasil
36 textos (7199 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 08:36)