Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

  O EVANGELHO SECRETO DE MARCOS. UM EVANGELHO GAY?
 
OS EVANGELHOS PERDIDOS
 
Acabo de ler o livro "Os Evangelhos Perdidos" de Barth Herman, publicado pela Editora Record, São Paulo, 2008. É um livro que comenta os chamados livros apócrifos do Novo Testamento, particularmente aqueles encontrados em 1945 em Nag Hamadi, Alto Egito, em 1945. Trata-se de um conjunto de escritos que foram censurados pela Igreja nos primeiros séculos do cristianismo como sendo falsificações produzidas por escritores heréticos, com a finalidade de difundir estranhas práticas da doutrina cristã e denegrir aquelas que eram recomendadas e aceitas pela verdadeira Igreja, ou seja, a de  Roma.
Entre esses escritos estão vários Evangelhos, supostamente produzidos por discípulos de Jesus, entre eles Filipe, Pedro, Tomé, Judas, Maria Madalena etc. A Igreja oficial os chama de apócrifos, pois afirma que eles são falsificações, ou seja, trabalhos escritos por pessoas não autorizadas, as quais deram a esses trabalhos nomes de apóstolos ou de pessoas que viveram e conheceram Jesus. Isso era comum naqueles tempos. Mesmo os chamados Evangelhos canônicos (Marcos, Mateus, Lucas e João), bem como as cartas escritas pelos apóstolos, que a Igreja reconheceu como documentos autênticos e únicos registros autorizados do ministério de Jesus e da sua doutrina, não podem ser hoje referendados como produtos dos apóstolos de quem levam o nome. Salvo algumas das cartas de Paulo, e o Evangelho de Lucas, os demais evangelhos e cartas dificilmente se provariam ter sido realmente escritas pelos referidos apóstolos.
Acho que isso não importa muito para a questão de fundo que é a fé. Afinal, sempre se soube que a vida de Jesus e a sua doutrina nunca foram uma questão mansa e pacífica, e que ela e seus ensinamentos não se resumem à pequena sinopse que a Igreja liberou na forma dos quatro Evangelhos canônicos. Muitas seitas que sobreviveram ao expurgo feito pela Igreja de Roma nos primeiros séculos, e à inquisição que ela promoveu contra os dissidentes da sua doutrina e orientação durante a Idade Média, nos mostram que o entendimento da doutrina cristã sempre foi muito complicado. A biblioteca de Nag Hamadi nos prova que nos anos que se seguiram à morte de Jesus, e até a Igreja de Roma colocar, finalmente, um ponto final na questão, determinando o que e como deveria ser a fé cristã, havia muitos “cristianismos" e muitos retratos de Jesus, alguns deles os mais bizarros que se pode imaginar.
Já ouvimos muita gente dizer que os dias atuais são os últimos, conforme Jesus declarou, já que há tantos falsos profetas, tanta gente tentando corromper a verdadeira doutrina, tanta gente tentando desconstruir o que a Igreja construiu nesses séculos todos. Isso, a par das catástrofes, das guerras e rumores de guerra, da corrupção dos costumes e outros sinais mais, seriam o prenúncio do Apocalipse anunciado.
Porém, quando se recua aos próprios dias em que Jesus andou pela terra, vê-se que naquele tempo a bagunça doutrinária era bem maior do que a que temos hoje, e os conflitos e a corrupção dos costumes nas sociedades daquela época davam de dez a zero no que temos hoje.
Nos dias atuais, em que a liberdade de pensamento e a tolerância são como deuses que merecem ser defendidos com a própria vida, o que a Igreja de Roma fez soa como um absurdo politicamente detestável, pois ela suprimiu, a ferro e fogo, como faz as piores ditaduras, toda e qualquer voz discordante contra a sua orientação. Mas, conquanto isso possa ser condenável, e é, não podemos deixar de reconhecer que o que ela fez salvou o cristianismo da extinção pura e simples. Pois é isso que teria acontecido aos ensinamentos de Jesus se todas as versões de sua doutrina tivessem sobrevivido e prosperado como confissões religiosas de importância.
Aliás, ainda hoje, o cristianismo continua a ser a religião mais cismática e polêmica do mundo. Por isso ela também é a mais seguida e a mais resistente entre todas. Já resistiu a vários cismas – temos hoje a igreja católica, a ortodoxa grega, a ortodoxa russa, a siríaca, as diversas confissões protestantes, a mórmon, etc – e certamente resistirá a toda e qualquer cisma que porventura ainda vier. Isso mostra que hoje, como ontem e sempre, haverá muitos “cristianismos” e não será a diversidade de opiniões a respeito de Jesus e sua doutrina que o prejudicará.
 
UM EVANGELHO GAY?
 
Hoje, todas as minorias sociais – minorias sociais aqui são os grupos que praticam comportamentos considerados estranhos para a sociedade organizada− tais como os homossexuais, os hippies, as comunidades naturalistas, etc., procuram justificar seus comportamentos com argumentos lógicos, extraídos dos grandes sistemas filosóficos e das próprias construções doutrinárias veiculadas pelas diversas religiões do mundo. Está em moda, por exemplo, a valorização das doutrinas e práticas orientais, bem como uma reconstrução do gnosticismo dos primeiros séculos do cristianismo, principalmente nas suas visões cosmológicas, que segundo os adeptos do gnosticismo moderno, estão muitos próximos das descobertas da moderna ciência atômica e astrológica.
Que achado não seria, por exemplo, para a comunidade gay, um evangelho que mostrasse que Jesus era tolerante com o homossexualismo ou mesmo praticante? Pois tal evangelho existiu, e esse não era um assunto tabu nos primeiros séculos do cristianismo. Uma ligeira alusão a esse tema é encontrado no próprio evangelho canônico de Marcos, onde se informa que na noite em que Jesus foi preso, no Horto do Getsmani, estava lá com ele um jovem envolto num lençol, o qual saiu correndo quando os soldados betusianos prenderam Jesus. Tendo um dos guardas tentado segurá-lo, ele largou o lençol nas mãos dele e saiu correndo pelo horto, completamente nu.
O que fazia um jovem vestido nessas condições, naquela hora fatídica, tem sido motivo de especulações há quase dois mil anos. 
Mas segundo Morton Smith, um professor de História antiga da Universidade de  Colúmbia, Nova Iorque, ele, quando estudante de graduação, fez um estágio num mosteiro ortodoxo de Mar Saba, em Jerusalém, nos anos cinqüenta. Lá ele teve a oportunidade de ler uma carta do famoso Bispo Clemente de Alexandria, grande teólogo da Igrejá Católica, que viveu no século II, e escreveu importantes tratados teológicos, entre os quais alguns ainda preservados. Era uma carta onde o famoso teólogo desanca o pau numa seita chamada de carpocratianos, fundada e liderada por um tal Carpócrates, que segundo ele, eram praticantes de licenciosidades sexuais em seus ritos, como forma de prática doutrinária. Essas práticas incluíam sexo livre, homossexualismo e toda experiência carnal possível, pois o corpo,segundo a doutrina carpocrática, deveria experimentar todas as experiências possíveis, como forma de libertação da matéria.
 Essa doutrina seria fundamentada num Evangelho Secreto de Marcos, o qual  o próprio Clemente já teria lido, que mostra o grupo de Jesus como uma espécie de seita praticante de rituais iniciáticos, entre eles o homossexualismo. Em um dos fragmentos desse suposto evangelho, há um estranho trecho em que a chamada ressurreição de Lázaro, milagre informado somente no Evangelho de João, é descrito como sendo um ritual iniciático: Eis o que diz esse fragmento: "E eles [Jesus e os Apóstolos] vieram até Betânia, e uma certa mulher, cujo irmão havia morrido, estava lá. E vindo ela, prostou-se diante de Jesus e lhe disse, “Filho de Davi, tende misericórdia de mim.” Mas os discípulos a repreendiam. E Jesus, ficando zangado com isto, foi junto com ela até o jardim onde o túmulo estava, e imediatamente um grande grito foi ouvido do túmulo. E aproximando-se, Jesus rolou da frente a pedra da porta do túmulo. E imediatamente, indo até onde estava o jovem, estendeu a sua mão e o levantou, tomando-o pela sua mão. Mas o jovem, olhando para ele, o amou e começou a implorar-lhe para que ele pudesse permanecer com o Senhor.  E saindo do túmulo vieram eles até a casa do jovem, pois era rico. E após seis dias Jesus lhe disse o que deveria ser feito e no fim da tarde o jovem veio até Ele, vestindo uma roupa de linho [branca] sobre seu [corpo] nu. E ele [o jovem] permaneceu com ele [Jesus] durante aquela noite, pois Jesus lhe ensinou os mistérios do reino de Deus.”
 
         O Bispo Clemente, naturalmente, afirma que esse suposto evangelho secreto de Marcos foi falsificado pelos carpocratas para dar suporte às suas práticas detestáveis. Mas que ele se desse ao trabalho de escrever uma carta a um confrade seu para contestar tais informações, é porque tal documento existia e certamente essa seita incomodava muito a recente formada Igreja de Roma.  Para que esse Secreto Evangelho de Marcos tenha sido citado por Clemente, no mínimo ele já existia antes de 150 AD, sendo portanto, contemporâneo dos canônicos. Morton Smith dá evidências convincentes de que ele  pode ser datado do fim do primeiro ou início do segundo século, uma hipótese que é geralmente aceita hoje. Estudiosos afirmam que se foi realmente escrito por Marcos, não poderia ter sido escrito muito mais tarde do que 80 AD. Outros há que acreditam que esse evangelho seria o verdadeiro evangelho de Marcos, o qual teria expurgado de suas passagens comprometedoras (para a doutrina cristã oficial).
         Imaginar um Jesus homossexual é demais até para um livre pensador do século XXI. Isso seria levar muito longe a licenciosidade que a heterodoxia dos nossos dias nos permite. Mas isso também não tem importância nenhuma em termos do que entendemos como questão de fé. Hoje, o que parece mais importante discutir é o que a doutrina de Jesus nos ensina em termos de pedagogia para uma vida saudável. Vida saudável , não em termos de bem estar material, como ensinam certas igrejas supostamente evangélicas, cujos líderes são verdadeiros estelionatários, que defraudam os pobres e ignorantes fiéis que freqüentam seus cultos. Mas sim, uma vida equilibrada, guiada por uma doutrina sadia e motivadora, que estimula os valores humanos sem desprezar as verdades do espírito. Nesse sentido, é confortador saber que a nossa época não é pior nem melhor do que nenhuma outra em termos de diversidade de pensamento e opinião. Era até pior nos dias em que Jesus andou pela terra. E a sua missão foi exatamente uma tentativa de sanear a mente da humanidade, para que ela pudesse construir um mundo mais feliz. Se ele conseguiu é questão que eu não sei julgar, mas de qualquer modo, me dá muito mais confiança no futuro saber que a humanidade nunca foi melhor do que é hoje. Cabe a cada um de nós promover os saltos qualificativos que a melhoram. Como Jesus fez.  
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 13/09/2011
Código do texto: T3218003
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
João Anatalino
Mogi das Cruzes - São Paulo - Brasil, 70 anos
1649 textos (565721 leituras)
7 e-livros (5031 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/12/14 15:45)
João Anatalino

Site do Escritor



Rádio Poética