Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Auto da Compadecida

Ariano Suassuna, escreveu o livro  "Auto da Compadecida", em 1955, o livro possui 204 páginas e  foi publicado pela editora Agir.

A obra é inspirada nos autos, textos dramáticos curtos com intensão moralizadora ou satírica, especialmente de Gil Vicente, representante português do gênero dramático, bem como os costumes e crenças nordestinas.

Resumo

A história se passa em dois  espaços em Taperoá, no interior da Paraíba. E em um espaço psicológico  no Tribunal Celeste. Os personagens principais são João Crilo e Chico. João Crilo, é retratado como um anti-herói, pobre, oprimido, que não tem a "excelência" dos heróis da mitologia, mas que utiliza a esperteza para driblar a fome. Chico é covarde, amigo e inventivo para não dizer mentiroso. João Crilo usa sua malandragem para enganar os membros da igreja, com a própria ganancia dos mesmos, faz com que eles realizem o enterro do cachorro do padeiro, em troca da herança deixada pelo cão. Depois, vende um" gato da moedas de ouro" para a mulher do padeiro, no entanto, não havia moeda alguma, até que Severino, o cangaceiro, e seu Jagunço chegaram e mataram o padre, o sacristão, o bispo, o padeiro e a mulher do padeiro. Quando chegou a hora de João, ele enganou os bandidos e os matou, porem acabou morto, também. Até então apenas Chico e o Frade sobreviveram.

No momento em que João Crilo morre, a história começa a ser contada no Tribunal Celeste, que funciona como uma triagem, que define se os mortos vão para o inferno, purgatório ou céu. Como promotores Diabo e o encorado, o juiz seria Manuel, de acordo com a trindade católica Jesus, Deus e Espírito Santo.  São feitas as acusações e certamente todos vão para o inferno, entretanto, João pede a ajuda da Compadecida que intercede por eles, logo o Jagunço e o cangaceiro vão direto para o céu, devido a sua infância difícil, os outros cinco bispo, padre, padeiro, mulher do padeiro e sacristão são mandados para o purgatório, enquanto João Crilo com sua esperteza responde a uma pergunta que o manda de volta para a Terra.  Tendo esquecido de tudo, assusta Chicó e descobre que terá de doar todo seu dinheiro a Santa devido à promessa que Chico havia feito.

Resenha

A peça é muito divertida, mas também reveladora. Demonstra a diferença dos tratamentos dados aqueles que possuem mais dinheiro, mostrando até que ponto chega a ganância do homem, praticamente todos os membros da igreja são corruptos. Ao chegarem no Tribunal as pessoas são julgadas da mesma forma, não importa o que elas havia tido, apenas o que havia feito de certo e de errado.  O Deus, apresenta a raça negra, o que surpreende a todos, evidenciando o preconceito. Para se defender as personagens usaram o medo, pois todos têm medo, vieram de um lugar onde não tem água, não tem recursos.  Assim, notamos que são assuntos pesados, no entanto, são tratados de forma muito leve e descontraída. As personagens são extremamente definidas, agradáveis e todos cômicas . As fala de Chico depois de suas histórias "Não sei, só sei que foi assim", é uma marca, difícil de esquecer.

O livro é muito bom para aqueles que querem refletir um pouco sobre assuntos sociais de forma leve, além de que é pintado um quadro do funcionamento da cultura nordestina, mostrando todas as camadas a elite, o clero, a burguesia, a bandidagem e os pobres diabos, João e Chicó. O livro é baseado em uma peça, logo são apenas diálogos, se você gosta leia, pois é muito interessante.

Autor

Ariano Suassuna foi um dramaturgo, romancista, ensaísta, poeta e professor brasileiro. Grande defensor da cultura nordestina. Nasceu  no Palácio da Redenção em João Pessoa, porque seu pai era governador, no ano de 1927. Em 1930, seu pai morreu e sua família se mudou para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Essa cidade foi onde Suassuna viu sua primeira peça, bem como serviu de inspiração para a sua peça "Auto da Compadecida".  Suassuna fez muito sucesso escreveu muitas coisas e teve uma vida longa, bonita e produtiva, nos deixou no ano de 2014.
Celina Rockfield
Enviado por Celina Rockfield em 12/11/2017
Código do texto: T6169396
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Celina Rockfield
Barra Mansa - Rio de Janeiro - Brasil, 20 anos
106 textos (1907 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/17 15:53)
Celina Rockfield