Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAMARADAS, DE WILLIAM WAACK

CAMARADAS, de William Waack-Companhia das Letras/Biblioteca do Exército-Rio de Janeiro-1993

O brilhante jornalista global nos brinda com uma obra irretocável sobre a primeira tentativa de comunização do Brasil- A Intentona comunista de 1935.
A sua exposição é toda documentada, principalmente, nos arquivos secretos da KGB, da ex-União Soviética, dos Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra.
As incursões sobre o material se iniciaram após contato com o filho mais moço de Luis Carlos Prestes , Iuri, que trabalhava  na Embaixada do Brasil em Moscou e lhe havia falado sobre suas perambulações em arquivos que haviam pertencido a inúmeras instituições soviética . Ele( Iuri) suspeitava haver , ali naqueles escritos, a história do comunismo no Brasil.
Sem dúvida uma obra de fôlego jornalístico e riquíssima em fatos históricos que desmentem e reafirmam inúmeras passagens sobre o que ocorreu em 1935 no nosso país. O autor não romanceia nem lança mão de expedientes que possam dar margem a dúvidas ou interpretação ao leitor. Mostra o material obtido com precisão, transparecendo uma obra de ficção do ramo da espionagem, porém real.
Duvidar-se da veracidade dos dados apresentados? Acho que não, pois a credibilidade de William Waack nos dá um atestado de boa conduta antecipada e os dados colhidos e trabalhados nos mostram com solidez uma realidade cada vez mais cruel daqueles que tentaram trazer o regime comunista para as terras brasileiras. Homens e mulheres de todos os tipos, mas todos com uma característica marcante, muito bem apresentada na frase de Brecht exposta no início do livro: “ ...quem luta pelo comunismo  tem  de todas as virtudes apenas uma: a de lutar pelo comunismo.” Pessoas apátridas  que não titubearam em colocar o Brasil na esfera  da URSS e que negaram muitas vezes suas intenções. Os que ainda sobrevivem naquela miragem e seus seguidores também.
A apresentação é muito consistente e é difícil negar o que ocorreria no Brasil com a implantação do marxismo a la soviete via PCUS.
O Komintern. O autor traça em detalhes a organização, arregimentação e controle de militantes, doutrina e modus operandi desse poderoso órgão da extinta URSS e PCUS. Desde o local de recepção, um pequeno hotel, passando pela Escola de dirigentes, o Serviço de Ligações Internacionais, a Comissão Internacional de Controle até seu real interesse pelo Brasil e como se processou a  orientação para a revolução que conduziria o Brasil ao comunismo. Dedica uma parte especial ao Exército Vermelho e seu IV Departamento. Um famoso escritor gaúcho caiu nessa.
O ouro de Moscou. Como parte do suporte financeiro do PCUS, Waack recupera o trajeto desse apoio em intricado roteiro até chegar ao Brasil , via Argentina, nas mãos de agentes soviéticos instalados como comerciantes no Rio de Janeiro, São Paulo e Buenos Aires.
Prestes. A situação de Prestes está muito bem definida em todo o livro e suas ações validam seu caráter e procedimentos até 1964, quando tentou mais uma vez comunizar o país. O livro revela-o uma pessoa decidida, de sangue frio, fiel á URSS e ao comunismo internacional e não ao Brasil, tanto que seguidamente ia a Moscou prestar contas e receber mais apoio político e financeiro. Numa destas idas, voltou com Olga, escolhida pelo Komintern para responsabilizar-se pela segurança daquele que iria desencadear a revolta comunista.
Olga. Não era uma moça como está sendo pintada num filme nacional e sim uma agente do IV Departamento do Exército Soviético, a área de espionagem militar. Era de total confiança de cúpula do Komintern e do IV Departamento do Exército Vermelho, por isso recebeu a incumbência de responsabilizar-se pela segurança de quem iria , cumprindo as ordens de Moscou, desencadear a revolução no Brasil- Prestes. Sua situação matrimonial está muito bem contada e não deixa margens a dúvidas. Mas foi entregue por Prestes a DIP e deportada para a Alemanha. Além de judia alemã, havia sido espiã soviética na Alemanha. Seu destino não poderia ser outro senão a câmara de gás.
Os assassinatos. Os comunistas brasileiros não vão gostar do que Waack descobriu e transcreveu. Aliás, o livro foi lançado na década de 90 e até agora poucas foram as manifestações, muito típicas de uma ideologia que costuma esconder e glamourizar seus crimes. Os crimes a mando de Prestes, ou justiçamentos como diziam, estão lá, inclusive de Elza.
As redes. Não eram conjecturas quando falava-se de uma conspiração internacional para uma revolução comunista no Brasil. Os diálogos entre Prestes e os agentes soviéticos no Brasil e entre estes e seus próceres russos revelam uma rede de espionagem  muito bem montada e de grande envergadura.  Como diriam: coisas de profissionais.
A inquisição. Esta parte do livro é muito esclarecedora e como todo ele reveladora da faceta cruel do comunismo internacional: não deixam marcas e procuram apagar pegadas. É como a lei dos traficantes de drogas: não cumpre morre. Falhou, morre. Um relato duro a partir das leituras de relatórios dos agentes infiltrados, telegramas, mensagens diversas entre o Komintern e seus agentes no Brasil ou implicados na fracassada tentativa. Tal procedimento se deu com todos que desejavam sair do movimento e já haviam participado de qualquer atividade comandada pelo Komintern, principalmente no exterior. O julgamento era sumário e a sentença rápida e cruel.

Um livro elucidador.
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 01/01/2006
Código do texto: T93229

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 19:01)
FLAVIO MPINTO