Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fundamento (orixá grego)

Na tragédia curta de Ésquilo confirmo a suspeita sobre meu mito primordial. Prometeu Acorrentado diz mais sobre minha essência do que talvez qualquer outro texto já tenha dito. Quem dera pudesse escrever ao velho Freud, sem o qual não teria hoje instrumentos para essa compreensão, e dizer-lhe: olha a sacada desse moleque brasileiro. Acho que ele se orgulharia de mim.

Mas para quê ficar aqui celebrando meu ego, se a constatação mais importante é a de que o mito de Prometeu é um mito fundamental da condição humana? E que apenas afeta alguns indivíduos de uma maneira mais sistemática? Na companhia de quantos Prometeus eu estarei?

Só o nosso querido Luiz Guerra poderá dizer do acerto ou não do tradutor dessa edição da Martin Claret (J.B. Melo e Souza). Eis alguns trechos:

“Poder – Ele roubou o fogo, teu atributo, precioso fator das criações do gênio, para transmiti-lo aos mortais! Terá, pois, de expiar este crime perante os deuses, para que aprenda a respeitar a potestade de Júpiter, e a renunciar a seu amor pela Humanidade.”


“ Prometeu - Logo que se instalou  no trono de seu pai, distribuindo por todos os deuses honras e recompensas, ele (júpiter) tratou de fortificar seu império. Quanto aos mortais, não só lhes recusou qualquer de seus dons, mas pensou em aniquilá-los, criando em seu lugar uma raça nova. Ninguém se opôs a tal projeto, exceto eu”.

“Prometeu – Graças a mim, os homens não mais desejam a morte.”

“Coro – Que remédio lhes deste contra o desespero?”

“Prometeu – Dei-lhes uma esperança infinita no futuro.”

“Prometeu – Pensas porventura que me acovarde, e que me submeta a esses novos deuses? Longe disto estou, Mercúrio!”

“Mercúrio – Eis o invencível orgulho que tantas desgraças já te causou!(...) Como seria insuportável se dominasses um dia!”

“Prometeu – Ai de mim!”

“Mercúrio – Dize, porém: de que te serve essa obstinação?”
Nelson Oliveira
Enviado por Nelson Oliveira em 15/03/2006
Reeditado em 15/03/2006
Código do texto: T123498
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Oliveira
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
345 textos (25575 leituras)
2 áudios (313 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:05)
Nelson Oliveira