Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um poema para Augusto dos Anjos

Ah! como eu queria ser coveiro,
Pra poder enterrar toda essa gente,
Nem precisaria de dinheiro,
Trabalharia por prazer, somente.

Abrir covas, fechar covas mansamente,
Como quem cava pra plantar um cajueiro,
Mas,essa semente, ah, essa semente,
Apodrecerá e não medrará, meu companheiro.

Para alguns parecerei umbrático,
Mas, lá no íntimo, idiossincrático,
ouço um som suave de saltérios,

Tão serenos, tão calmos, tão pulcros,
A beleza rústica dos sepulcros,
O ar nirvânico dos cemitérios.
Luiz Gonzaga Leite Fonseca
Enviado por Luiz Gonzaga Leite Fonseca em 13/02/2006
Reeditado em 18/10/2012
Código do texto: T111142
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Gonzaga Leite Fonseca
São Paulo - São Paulo - Brasil, 2015 anos
30 textos (1893 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:26)
Luiz Gonzaga Leite Fonseca