Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
D.Pedro II - Um poeta
Quando da perda de seus dois primeiros filhos

Na Morte do meu Primogênito

" Pode o artista pintar a imagem morta
Da mulher a quem dera a própria vida.
E o amigo , na extrema despedida,
A imitar-lhe os exemplos nos exorta.

Casto e saudoso beijo inda conforta
A esposa que a ventura crê perdida;
Mas dizer o que sente a alma partida
Do pai a quem,ó Deus, tua espada corta.

A flor do seu futuro - o filho amado,
Quem o pode, Senhor? se mesmo o Teu
Só morrendo, livrou-nos do pecado!...

A terra à voz do Gólgota tremeu:
E o sangue do Cordeiro imaculado
Até o próprio Céu enegreceu!..."


Na Morte de meu Segundo Filho

" Duas vezes a morte hei sofrido,
Pois morre o pai com seu filho morto;
Para tamanha dor não há conforto,
Dilui-se em pranto o coração partido!

Para que ninguém ouça o meu gemido,
Encerro-me na sombra do meu horto,
Entregue ao pranto, ao sofrer absorto,
Querendo ver se vejo o bem perdido!...

Brota a saudade onde a esperança finda;
Sinto n´alma ecoar dobres de sinos!...
Só a resignação me resta ainda.

Coube-me o mais funesto dos destinos;
Ví-me sem Pai, nem Mãe, na infância linda,
E morrem-me os filhos pequeninos."
 

(Extraído do livro de Camilo Abrantes, Elogio a Dom Pedro II)
(Editora Danúbio Ltda. Santos, 1979)
Victoria Magna
Enviado por Victoria Magna em 20/02/2006
Código do texto: T114097
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Victoria Magna
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
329 textos (130068 leituras)
1 e-livros (99 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:50)
Victoria Magna