Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Corpo de poeta



Ao dissecar os tomos da anatomia
e esquartejar a carne exangue do poeta,
fiz-me entrar, por sua artéria mais secreta,
nos pensamentos dúbios da dicotomia.

Ao auscultar-lhe o coração que não batia,
ainda pude ouvir-lhe um sopro de tristeza,
a sussurar-me, segredar-me a incerteza
de que morrera pra dar vida à poesia.

Tolo poeta! Viveu mais do que devia.
Viveu nos sonhos da profana fantasia,
que a morte faz mudar o eterno endereço.

Viveu acalentando sua eutimia,
a espera da certeza de chegar o dia
em que no seu jazigo ornará seu berço.

Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 22/02/2006
Reeditado em 22/02/2006
Código do texto: T115164
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Herculano Alencar
São Paulo - São Paulo - Brasil, 62 anos
1335 textos (57885 leituras)
5 áudios (264 audições)
13 e-livros (3212 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:37)
Herculano Alencar

Site do Escritor