Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONETOS CONTEMPORÂNEOS A VINÍCIUS

                               
De habitação nas praias da Bahia
- e Sergipe também –, viva o caju!
Fruto sem casca, sempre teso e nu
tem cheiro e tem sabor de maresia.

Pela orla do mar estende os ramos
esgalhado e robusto o cajueiro.
Os galhos vêm ao chão porque é rasteiro
E as corças alimentam – corças, gamos -.

Acastanhado, cor de ouro de lei,
é rígido o caju - como direi? -
igualzinho ao tesão na hora do fato.

Vem-me do rei Vinícius a lembrança,
toma morada em minha mente e dança
o cajueiro, bordejando o asfalto!

II
Do cajueiro, bordejando o asfalto,
Distende-se a castanha do caju.
- Dir-me-á algum leitor – ah! não és tu
que entendes, certamente, do barato.

Mestre Vinícius, sim, sabia o prato
que une o vatapá ao caruru
- alimento das deusas. De caju
e de mulheres. No real, de fato!

Outro poeta não entende disso,
não conhece a mistura do feitiço
e da quinquilharia - praia e mato...

Mas vamos à castanha do caju,
que se desprende desse, sempre nu,
o cajueiro bordejando o asfalto...

III
Castanha de caju! Carece trato
a árvore que o fruto, teso, entala.
O povo sabe tudo, e o povo fala
que neste caso, a lei não põe recato.

O regalo à Vinícius era um luxo,
regado a vinho seco de Caxias,
a coxa da cabrita, rins, coxias,
tudo isso na vazante e no repuxo.

Maré de Itapoã, praias alvíssimas.
Louras, mulatas belas e finíssimas,
rondavam o poeta como a Exu.
 
E ele, seguro, erguia mais a cesta
e a enchia de castanhas, uma festa
às mulatas... Castanhas de caju!

IV
Às mulatas, castanhas de caju...
- Eu falo de caju e de castanha,
de praia e cajueiro, não de umbu
e de sertão. De fruto, não de banha –.

Desprendida a castanha do caju,
alimenta e acontece encher o bucho.
A fartura nem sempre gera luxo,
e  muitas vezes pauta à Belzebu.

O Poeta sabia e usava camisinha
para evitar o engano da avezinha,
isso que faz bravia a onda mansa.

Porque a ocorrência é chata e atemoriza
e põe na mente a dúvida imprecisa,
o sôfrego cavalo sai da cancha!
                    Em 21-01-06

    João Justiniano da Fonseca
joaojustiniano@terra.com.br
www.joaojustiniano.net
                                                           

João Justiniano
Enviado por João Justiniano em 02/04/2006
Código do texto: T132770

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Justiniano
Salvador - Bahia - Brasil, 96 anos
619 textos (19611 leituras)
13 e-livros (1027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:55)
João Justiniano