Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MAR E A PEDRA

 
Eu sou o mar que entra em ti, ó pedra
E ficas muda sem gemer, com dor
Enfurecido rasgo-a toda e medras
Sem explicar direito o que é o amor
 
Em noite e dia é o vai-e-vem constante
Empurro firme o fluido em tua entranha
Jamais reclamas ou diz que é bastante
Ficas passiva e nem espuma estranhas
 
Assim percebo que o tempo passa
E te esfrangalho em pequenas lascas
Tu não respondes e a vida toda embaça
 
Se fico bravo, como em águas bascas
Torna-te areia, assim como se faça
E não percebes que desdobras cascas
 
O MAR E A PEDRA

Eu sou o mar que entra em ti, ó pedra
E ficas muda sem gemer, com dor
Enfurecido rasgo-a toda e medras
Sem explicar direito o que é o amor
 
Em noite e dia é o vai-e-vem constante
Empurro firme o fluido em tua entranha
Jamais reclamas ou diz que é bastante
Ficas passiva e nem espuma estranhas
 
Assim percebo que o tempo passa
E te esfrangalho em pequenas lascas
Tu não respondes e a vida toda embaça
 
Se fico bravo, como em águas bascas
Torna-te areia, assim como se faça
E não percebes que desdobras cascas
 
© Fernando Tanajura


Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 27/05/2006
Reeditado em 31/01/2015
Código do texto: T163980
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154801 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:56)
Fernando Tanajura