Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto de amor que quer ser verdadeiro

Queria ser de verdade, pobre mortal
Como a parede, por giz, riscada
Queria ser eterno, ser sincero
Qual amor...tamanha galoada!

Me inspirou foi tu, canção
Doce sepulcro de mortos gentis
Que ao nascer, amor escolheu
Mas ser mísera paixão, desgraçado, não quis!

Desejou como quem deseja a vida
Ser amor daqueles bem venturados
Aspirou de uma aspiração desmedida

Mas paixão ficou, aqui guardado
E aprisionada está, tão contida
Que de chorar coração, há de morrer afogado!
dhália
Enviado por dhália em 10/07/2006
Código do texto: T191448
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
dhália
Salvador - Bahia - Brasil
238 textos (5114 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:00)
dhália