Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto a um Cadáver

Pálido espectro agora está na cova
Rasa que cavaste ante falsa figura
Feral jaz e só o fungível que trova...
Como verme a devorar na sepultura.

Carcaça pútrida e sanha renova
Aqui pregavas tanto ódio e secura,
Ser agora jazem na tumba nova
Era de dores latentes, vis torturas.

O teu penar não tem fim já partiste
Deste plano cruel infeliz cria
Sepsia secular te persegue agonia.

Maldição na morte vil melancolia
Que já abrigas neste mal que persiste
Este ócio infernal e insano que existe.

                         Herr Doktor
HERR DOKTOR
Enviado por HERR DOKTOR em 25/07/2006
Reeditado em 26/09/2008
Código do texto: T201647

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
HERR DOKTOR
Camboriú - Santa Catarina - Brasil
664 textos (21373 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:42)
HERR DOKTOR