Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto de Amor II

Nunca Amor me teve assim, confesso
Quase apaixonada, do amor reticente
Em teu espaço onde unicamente me permito voar
De um amor que nem conheço, nem sei se sente!

Num mundo onde a maior beleza é duramente castigada...
... o amor... e num canteiro encostado num muro
de uma rua qualquer me dissipo em rosa
E em rosa sou mulher em todo o meu futuro!

Roubo uma flor relegada no tempo: amor teu
E nada disso faz sentido, nem esta poesia
Nada em mim faz sentido, nem o que se viveu

Em tão belo, puro, santo, casto... anjo dia
Onde Amor de todo em tudo me envolveu
Deste amor que me preenche e me alforria!
dhália
Enviado por dhália em 03/09/2006
Código do texto: T231638
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
dhália
Salvador - Bahia - Brasil
238 textos (5113 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:58)
dhália