Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SAUDADE

 
Grande e sentida dor que meu ser dilacera
nesse dia infeliz em que corto as amarras
que, ligando à matriz, me rasgando qual garras,
são de mim teu penhor em paixão que acelera...
 
Desta vida és actor, desta selva uma fera,
da paixão meretriz, do sentir anteparas,
és parceira, aprendiz, uma fonte que agarras,
és a face do amor que minha alma venera.
 
És também a tristeza de um dia sem sol,
és o choro sentido, és orgulho, vaidade,
mas não trais a beleza de um só girassol...
 
E lembrando, ferido, sua mocidade,
entrevejo pureza - do amor és escol -
neste preito devido ao sentir-te, saudade.
 
Sintra, 12/08/2006
António CastelBranco
Enviado por António CastelBranco em 03/09/2006
Código do texto: T231894
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
António CastelBranco
Portugal, 56 anos
57 textos (1698 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:56)
António CastelBranco