Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONETO AO COLO MATERNO


Tenho medo da noite
Quando chove e o trovão estronda no céu.
Tenho medo da insônia e pesadelo:
Acorda em mim um monstro cruel.

Sei que muito sofreria e que teria um triste fim
Sem o conforto do teu colo para chorar e dormir
Tuas preces para afugentar o pesadelo com o coisa-ruim
E tuas mãos para me guiar e me proporcionar o sorrir.

Certos dias, a coluna dói de tanto sob e desce escada
Teu padecer é tão sofrido que chegas desfalecer.
(pranteias) Mas a fé não fraqueja sob o fardo da jornada.

Noutros, (em preces) adormeces sem desligar a luz.
(me apiedo de ti) No calor do teu corpo me deixo adormecer
E passo a noite sonhando com borboletas azuis.
Antonio Virgilio Andrade
Enviado por Antonio Virgilio Andrade em 14/09/2006
Código do texto: T240196
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Virgilio Andrade
Riacho Fundo - Distrito Federal - Brasil
152 textos (16229 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:03)
Antonio Virgilio Andrade