Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PLÚMBEO***

É obrigado este plúmbeo do meu ser.
Ilude-se quem crer que aceito-o assim.
Apesar da humildade não quis ter
Cor que meu ser está. Foi posta em mim.

Cravando-me num gelo permanente
Ao dar-me só deveres no reflexo
Da vida a mim ditada diariamente.
Queria ser desvio! Ser sem nexo!

Ser da cor do meu espírito! Não cor
Imposta. Mas, na lógica existente,
Só cabe a nós anuir... Nosso ser deve,

Por decreto de lei, onde ele for
Não procurar ter brilho. Independente
Do querer. Somos única cor: neve.
***(Este soneto foi uma alusão ao constante cerceamento da nossa sociedade as diferenças e ao agir diversificado que seria justo os homens reivindicarem na busca de sua felicidade. Infelizmente moldam-nos iguais e querem fazer-nos, os que detém o poder, crer que só é possível sobreviver e ser feliz por completo seguindo a risca os pressupostos do Capitalismo! Mas, é possível ser diferente e eu busco, mesmo inserido no Sistema Capitalista, ser diferente e construir, ao meu modo, a minha felicidade e o meu caminho para Amar! E eu sou feliz e amo!)
Alexandre Tambelli
Enviado por Alexandre Tambelli em 17/09/2006
Reeditado em 24/09/2006
Código do texto: T242366
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Tambelli
São Paulo - São Paulo - Brasil, 48 anos
676 textos (116308 leituras)
8 áudios (2991 audições)
1 e-livros (398 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:14)
Alexandre Tambelli