Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEU PSITACÍDEO.


Manoel Lúcio de Medeiros.


Minha ave tão verde, oh! Meu periquito,
Lá na mata virgem, hoje te encontrei,
Abatido e frágil, perto de um granito,
Depenado e fraco, só eu te apanhei!

Levei-te para casa com carinho,
Cuidei-te sim com todo o meu amor,
Hoje adulto, o meu lar é o teu ninho,
No meu dedo, charleando com dulçor!

Livrei-te do perigo dos felídeos,
Dei-te um nome, meu qui-quil, canto tenor,
Hoje entendo porque existe o Ibama!

Não maltrate os psitacídeos,
Não os contrabandeies, por favor!
Só quem cuida das aves, a Deus ama!


Direitos autorais reservados.
Malume
Enviado por Malume em 09/10/2006
Código do texto: T259804
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Malume
Fortaleza - Ceará - Brasil
452 textos (16865 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:12)
Malume