Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto de não-amor

Acostumei-me à amores impossíveis
De modo que o não-amor já me conhece
Acostumei-me à essa dor tangente
Que mesmo em dor já me apetece

Acostumei-me à esse amor breve
Que me enforca o pescoço e tira respiração...
Acostumei-me ao não-amor
Que já em amor de todo me tira razão

Abraço o não-amor como quem abraça um filho
Eu o conheço e já me dou como louco
E é penitência onde me ponho de joelhos em milho...

E vivo assim, deste mau amor solto
Que não da certo o amor e me maravilho
Com a certeza do não-amor, do amor pouco!
dhália
Enviado por dhália em 09/10/2006
Código do texto: T260491
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
dhália
Salvador - Bahia - Brasil
238 textos (5113 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:10)
dhália