Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Liberdade - Por/para Carlos Marighella (revisado)


Expondo minha poesia que tanto estimo
Mas que por certo não faz sombra ao teu brilho
Tua vida e tua luta emergem do ostracismo
Para construir um Brasil liberto, e não libertino

Te fizeram prisioneiro, aos 18 anos, ainda menino
Em represália a teu poema contra o desatino
De ver teu povo subserviente, entregue ao conformismo
Conclamando-o à resistência e ao resgate do seu brio

Te acusaram de terrorista, pois que eras um empecilho
À democracia de bravatas, da direita e do fascismo
No arcabouço das elites, o dogma do imperialismo

Te fizeste Marighella, poeta e revolucionário imbatível
Resistindo à tortura sobre o teu corpo desvalido
Crivando para sempre na história, o teu nome e o teu mito!

cacaubahia

***********************************************************

Não ficarei tão só no campo da arte,
e, ânimo firme, sobranceiro e forte,
tudo farei por ti para exaltar-te,
serenamente, alheio à própria sorte.

Para que eu possa um dia contemplar-te
dominadora, em férvido transporte,
direi que és bela e pura em toda parte,
por maior risco em que essa audácia importe.

Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma,
que não exista força humana alguma
que esta paixão embriagadora dome.

E que eu por ti, se torturado for,
possa feliz, indiferente à dor,
morrer sorrindo a murmurar teu nome.


São Paulo, Presídio Especial, 1939.
Carlos Marighella

***********************************************************

" Quando te vestiram de lama e sangue, quando pretenderam te marcar com o estigma da infâmia, quando pretenderam enterrar na maldição tua memória e teu nome.

Para que jamais se soubesse da verdade de teu gesto, da grandeza de tua saga, do humanismo que comandou tua vida e tua morte.

Escreveram a história pelo avesso, para que ninguém percebesse que eras pão e não erva daninha, que eras vozerio de reivindicações e não pragas, que eras poeta do povo e não algoz.

Retiro da maldição e do silêncio e aqui inscrevo teu nome de baiano: Carlos Marighella. "

Jorge Amado

***********************************************************

Em seu enterro não havia velas:
Como acendê-las, sem a luz do dia?

Em seu enterro não havia flores:
Onde colhê-las, nessa manhã fria?

Em seu enterro não havia povo:
Como encontrá-lo, nesta rua vazia?

Em seu enterro não havia gestos:
Parada e inerte a minha mão jazia

Em seu enterro não havia vozes:
Sob censura estavam as salmodias

Mas luz e flor e povo e gesto e canto
responderão "presente", chegada a primavera
mesmo que tardia!

Ana Montenegro
Berlim, outono 1969
 

     "Uma singela homenagem a um grande brasileiro que dedicou toda a sua vida na luta pelas desigualdades sociais e soberania do Brasil e de seu povo.
      Em momento oportuno, voltarei a publicar mais fatos da vida desse grande brasileiro, contribuindo assim para registrar - principalmente às novas gerações, um pouco da história do Brasil."
cacaubahia
Enviado por cacaubahia em 02/11/2006
Reeditado em 26/02/2011
Código do texto: T280378

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
cacaubahia
Londrina - Paraná - Brasil, 56 anos
334 textos (36461 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:57)
cacaubahia