Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

GARIMPAGEM


A métrica, há quem diga, é ultrapassada,
a rima é velha, estúpida, cafona.
Água do poço, quando chega à tona,
eu desconheço que não seja usada.

Difícil manejar a rima e a espada.
A métrica compor - a prima-dona
da suavidade, que não dá carona
à falta de harmonia na toada.

E assim, vão tantos atulhando a praça
de água-marinha, quando no garimpo
há diamantes puríssimos, sem jaça.

Só basta que o poeta suba o Olimpo
a alcança-los – se a luz não embaraça
nestes serrados que eu conheço e grimpo...

João Justiniano
Enviado por João Justiniano em 04/11/2006
Código do texto: T282134

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Justiniano
Salvador - Bahia - Brasil, 96 anos
619 textos (19599 leituras)
13 e-livros (1027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:28)
João Justiniano