Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EMBLEMA

Voaste para longe... Assim vão as falenas
E nunca mais... Adeus, ó minha doce amiga.
Hoje, voltando o olhar àquela era antiga,
Manhãs de praia, riso e amor, almas serenas...

Estás dentro de mim. Uma saudade apenas,
Uma lembrança grata, uma caricia antiga,
Meu sonho irrealizado, estréia da cantiga.
Que eu aprendi na vida em fuga às minhas penas.

Ó lembrança constante... O primeiro poema,
O que escrevi e rasguei, foi feito para ti!
Eu soletrava então. Não sei como parti,

Nem mais por onde vim a este soneto emblema.
Sei, que ficaste em mim desde aquele poema
E és espiritual de coisas que escrevi.

                    Belém, 03-02-1962.
João Justiniano
Enviado por João Justiniano em 13/11/2006
Reeditado em 17/11/2006
Código do texto: T290417

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Justiniano
Salvador - Bahia - Brasil, 96 anos
619 textos (19611 leituras)
13 e-livros (1027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:20)
João Justiniano