Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIRAVOLTAS


Na extensão sem limite e sem tamanho
do meu interior, busco e rebusco,
nos esconsos não vejo, ao lusco-fusco,
as estrelas perdidas, as de antanho.

Onde andará, não sei, o meu rebanho
de estrelas luz e sangue do molusco,
pai intelectual do avô etrusco
que se perdeu no tempo e eu não o apanho.

A menina dos olhos, orvalhada,
em coroa mudou-se, desbotada,
e as estrelas trocaram-se por círios...

Tudo se foi no caos, ponto por ponto,
restam, por lágrimas, que eu peso e conto,
as ilusões mudadas em martírios.

II

As ilusões mudadas em martírios,
são contas de um rosário pequenino,
que debulho nos dedos do destino,
enfiadas no cordão do pensamento.

Não paro de torcer, nos meus delírios,
essas ave-marias dos empíreos,
mistério por mistério sibilino.

Além, no tempo, o sino triste e frio...
É a hora em que desmuda o meu tormento
de homem, no pó, depois, noutro elemento
que vai se fecundar em novo cio...

Quando eu voltar, quando outra vez voltar,
hei de ter as estrelas em colar,
pendentes do alto mastro do navio.

III

Pendentes do alto mastro do navio
as estrelas que achei pelos caminhos.
No registro mental, os pergaminhos
acumulados como o tempo os viu.

Chego afinal. Rompi inverno e estio,
andei por tenebrosos remoinhos,
venci penedos, e ébrio de mil vinhos,
sangrei na tempestade em mar bravio...

Irei de novo, creio, eu creio assim:
em retorno ao molusco de onde vim,
à podridão do lodo e a novo fio...

Mas nessa viravolta de torneios,
sem ter de luz, embora, os bolsos cheios,
não hei de ter o cérebro vazio.
 
João Justiniano
Enviado por João Justiniano em 24/11/2006
Código do texto: T299771

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Justiniano
Salvador - Bahia - Brasil, 96 anos
619 textos (19599 leituras)
13 e-livros (1027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 04:52)
João Justiniano