Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prantos Mudos

A lágrima que cai sem ser notada
É o feto do poema nunca escrito
Que escorre lentamente na calçada
Não tendo mais a chance do seu grito.

O choro em todo aquele que é aflito
É a música escondida em dizer nada
Que fala muito mais que aquilo dito
E sempre é na poesia mais usada.

Se todos escrevessem os seus prantos,
Tornando suas lágrimas em cantos
O mundo entenderia seus poetas.

As vozes que agora são caladas
Pelos passos que ecoam nas calçadas
Seriam, na poesia, sempre metas.


 
Bruno Philippsen
Enviado por Bruno Philippsen em 16/08/2005
Reeditado em 31/08/2005
Código do texto: T43032

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Bruno Philippsen. E-mail: bruno_ph2@hotmail.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Philippsen
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil, 31 anos
82 textos (5083 leituras)
2 áudios (67 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 12:02)
Bruno Philippsen