Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
São restos de poemas e canções



Versos de amor para ela eu escrevia.
Serenatas em sua janela eu cantava.
Só para vela feliz, sorrindo pra mim.
A cada verso um beijo ela me jogava.

Assim todas noites, para ela eu recitava.
Uma bela poesia, ou cantava uma canção.
Belas palavras de amor, tiradas da alma.
Formei frases, que eu cantava com paixão.

Hoje não tem serenata, o poeta emudeceu.
Não recita poesias, não canta mais canções.
A viola sem cordas vive jogada, num canto.

Poesias guardadas, hoje papeis, envelhecidos.
São restos de poemas e canções, que ali joguei.
No arquivo das saudades, há tempos esquecidos.
Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 07/09/2005
Reeditado em 06/04/2009
Código do texto: T48511
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 69 anos
2314 textos (147479 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:47)
Volnei Rijo Braga