Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A rosa de Bagdá


Eis que vos digo, elas já estão semeadas,
Plantadas bem fundo, latentes em seus ninhos,
Com o sangue dos pobres cultivadas e regadas,
Adubadas a cada dia por interesses mesquinhos.

Ao toque dos malditos botões da insanidade,
Veremos de novo suas pétalas de fogo homicida
Seus espinhos lancinantes rasgando sem piedade,
Destruindo o princípio e o fim da própria vida.

Multiplicadas nos jardins do inferno de Dante,
Por toda parte, desvairadas no céu rubro em eclipse,
Cogumelos gigantes, arautos do fim que se aproxima.

E de seus ventres pútridos cavalgarão triunfantes,
Espargindo peste e fome, as bestas do Apocalipse.
A rosa de Bagdá – maldita filha da rosa de Hiroxima!
LHMignone
Enviado por LHMignone em 21/09/2005
Reeditado em 30/09/2013
Código do texto: T52383
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LHMignone
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil
1319 textos (201606 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:19)
LHMignone