Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto da vergonha


Meus filhos, amigos, amada... justamente neste dia
Em que renascem flores, início de primavera-outono,
Em que falaria de amores, da paz de tardes baldias,
Estou triste, deprimido, ansiando pelo eterno sono.

Pelo mundo, os jardins que tanto ansiei rever floridos
Se encontram rubros, mas de sangue em vários matizes
Não se ouve o canto alegre de pássaros, mas gemidos
Não mais se vê a harmonia das formas, agora cicatrizes.

O crepúsculo, com as cores de um dia que se encerra,
Levando-nos a comungar com Deus, não mais existe!
O brilho que nos extasia é o das bombas, da guerra!

E sinto vergonha por me quedar inerte ante o insano,
Vertendo minhas lágrimas inúteis, constrito, triste,
Grito ao mundo: TENHO VERGONHA DE SER HUMANO!!!!
LHMignone
Enviado por LHMignone em 21/09/2005
Reeditado em 06/01/2014
Código do texto: T52535
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LHMignone
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil
1319 textos (200409 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:40)
LHMignone