Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

(com as mesmas consoantes)

Soneto

Vieste tarde, meu amor! Começa
Em mim caindo a neve devagar,
Morre o Sol, o outono cai depressa,
E o inverno, finalmente vai chegar;

E, se, hoje andamos juntos, na promessa
De caminharmos toda a vida a par,
Daqui a pouco, o teu amor tem pressa,
E o meu, daqui a pouco, há de cansar.

Dentro em breve, por traz das velhas portas,
Dando um ao outro, só palavras mortas,
Que rolam mudas, pelas nossas vidas,

Ouviremos, nas noites desoladas,
Tu, a canção das vozes desejadas,
Eu, o chorar das vozes esquecidas!

Nunes Claro

 

Ventura

Vem, minha flor, pois deste amor, começa
Em nós, a Primavera! E devagar,
Pôr-se-á o sol, a esquecer o que é ter pressa;
E um vento frio de Outono há de chegar

Para o Inverno a escrever que, se cansar,
Já ele não se admire [que é promessa
A uns zéfiros velada bem depressa
(Antes de vir, enfim, um novo par!)!]!

E quantos baterão por tantas portas,
Mas só a pronunciar palavras mortas,
Que, em breve, serão obras esquecidas?

Pois fulge o amor às noites desoladas,
E ainda longe, as bocas desejadas
Serão uma só como nossas vidas.
Luciano Almeida
Enviado por Luciano Almeida em 29/09/2007
Código do texto: T673385

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luciano Almeida
Teresina - Piauí - Brasil, 38 anos
957 textos (39416 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 21:50)
Luciano Almeida