Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A conversão no grito do poeta

As lágrimas dos sonhos perpetuam na alma
Um gosto de sal, que lhe supera o sabor:
Tal pingos de mar, onda exuberante e calma,
Nostálgica brisa de um conturbado labor.

Assim foi seu início, simulando a dor,
Mas cruzou a esperança, perpassando a palma
Da mão que esmaga os espinhos de uma flor,
E depois, sangrando, contra o peito a espalma.

Porém o poema, no silêncio do encanto,
Das metáforas ferventes, esvai-lhe o pranto.
E com força, aos altos céus, o poeta grita:

Não te quero longe, quero-te, ó Jesus,
Junto a mim, sorridente, com tua doce luz.
E então sua vida aos Seus pés deposita.
Maurício Apolinário
Enviado por Maurício Apolinário em 24/10/2007
Reeditado em 23/02/2012
Código do texto: T707664

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Maurício Apolinário
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 59 anos
239 textos (85218 leituras)
1 áudios (54 audições)
5 e-livros (2837 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 07:41)
Maurício Apolinário

Site do Escritor