Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
CHOVE À TARDE


Finalmente uma chuva benfazeja,
o ar limpo e o som que se propaga,
e minh’alma, sorver dela, deseja,
a umidade que vem da névoa vaga.

Chuva branda na terra se despeja,
na mata ela penetra e não alaga.
Uma a uma, nas folhas cai, goteja,
escorrendo ela desce e nada estraga.

Eu me exponho e caminho pela rua,
deixo à chuva que molhe os meus cabelos.
Tarde cinza trará noite sem lua,

se teus olhos, em mim, não posso tê-los.
Essa chuva, quiçá a dor dilua...
Quão distante estarás dos meus apelos?


nilzaazzi.blogspot.com.br
Nilza Azzi
Enviado por Nilza Azzi em 24/10/2007
Reeditado em 12/09/2015
Código do texto: T708332
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Nilza Azzi ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nilza Azzi
Campinas - São Paulo - Brasil
2225 textos (387969 leituras)
27 áudios (1214 audições)
4 e-livros (385 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 17:24)
Nilza Azzi