Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A VERDADE DE MINHA POESIA




Fantasma errante calcorreando terras,
Sem destino marcado nem palavra sã,
Vão mundo subindo, descendo serras,
Sem nem sequer encontrar o amanhã.

Sozinho, procurando meu são abrigo,
Sem ter ninguém co quem conversar,
Fico pensando se este não é castigo,
Para quem a verdade a tenta nortear.

Minha palavra directa sem castração,
A muitos, sei-o bem, causa indignação,
Mas antes isso que ser poeta omisso.

Ostracismos e outras purgas dilectas,
Querem-me fazer crer serem correctas,
E eu mostro-lhes que não sou indeciso.

Jorge Humberto
17/11/07







Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 19/11/2007
Código do texto: T743432
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 51 anos
2622 textos (67114 leituras)
22 áudios (940 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 15:01)
Jorge Humberto