Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



RELÓGIO  DA  ARTE

 

Desperto-me ao lado dos semi-deuses,

Que ainda deitados, morrem lentamente:

Falta-lhes a nutrição, tecos da arte

Que pesam como essência incandescente.

 

Mas o tempo, que é mandatário, à parte

De todo movimento astral presente,

Permanentemente, sem ter disfarces

Disponíveis de solução patente,

 

Perderá de alguma forma a freqüência,

Gerando um relógio estranho e estonteante,

Desafio à totalidade da ciência.

 

O cérebro, sem saber o que foi ontem,

Pretende a adaptação e a sobrevivência:

Joga o relógio... Há por aí outras pontes...




Soneto para meu amigo  Fernando Fernandes.

José Carlos De Gonzalez
Enviado por José Carlos De Gonzalez em 20/11/2007
Código do texto: T744180
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Áudio
RELÓGIO DA ARTE - José Carlos De Gonzalez
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Carlos De Gonzalez
Itu - São Paulo - Brasil, 66 anos
556 textos (58961 leituras)
299 áudios (25481 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 03:02)
José Carlos De Gonzalez