CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Apesar de você, de Chico Buarque de Holanda

Pequena análise, com fundamentação nas reflexões de Antonio Carlos Secchim, em Poesia e Desordem - Escritos sobre poesia & alguma prosa.

APESAR DE VOCÊ

Hoje você é quem manda, falou, tá falado, não tem discussão
a minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão, viu
você que inventou esse estado e inventou de inventar toda a escuridão
você que inventou o pecado, esqueceu-se de inventar o perdão
Apesar de você amanhã há de ser outro dia
eu pergunto a você onde vai se esconder da enorme euforia?
como vai proibir quando o galo insistir em cantar?
água nova brotando e a gente se amando sem parar
Quando chegar o momento, esse meu sofrimento vou cobrar com juros, juro
todo esse amor reprimido, esse grito contido, este samba no escuro
você que inventou a tristeza, ora, tenha a fineza de desinventar
você vai pagar, e é dobrado, cada lágrima rolada nesse meu penar
Apesar de você amanhã há de ser outro dia
inda pago pra ver o jardim florescer qual você não queria
você vai se amargar vendo o dia raiar sem lhe pedir licença
e eu vou morrer de rir, que esse dia há de vir antes do que você pensa
Apesar de você amanhã há de ser outro dia
você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia
como vai se explicar vendo o céu clarear de repente, impunemente?
como vai abafar nosso coro a cantar na sua frente?
Apesar de você amanhã há de ser outro dia
você vai se dar mal etc e tal.
........................................

Secchim, antes de situar o "lugar do discurso poético na nova ordem mundial", caracteriza a poesia como espaço de insubordinação, dizendo que "é inegável que a maior parcela da poesia engajada situa-se à esquerda no espectro político".

Na MPB percebemos isso, por exemplo, na letra Apesar de você, de Chico Buarque, na qual o próprio título já anuncia essa insubordinação.

Se, nessa letra, temos versos como "Hoje você é quem manda/ Falou, tá falado/ Não tem discussão, não", que poderiam passar a ideia de obediência e submissão, isso não acontece porque esses versos são seguidos por um que diz que "amanhã há de ser outro dia".

Nessa letra, encontramos exemplo para a afirmação de Secchim, quando ele diz que não cabe à poesia "abraçar o lado do bem e exorcizar os fantasmas que o ameaçam". A poesia é justamente o fantasma que ameaça o 'lado do bem', é a "corrosão de normas que estanquem a pluralidade", normas essas que fazem com que a gente ande falando de lado e olhando pro chão, como em Apesar de você.

"A poesia tende a fortalecer-se quando não é convocada para a consolidação de visões dicotômicas da realidade, podendo assumir, ao contrário, sua condição de processo fomentador de sentidos à deriva", diz Secchim.

Por isso, a poesia é desordem, é o "sangramento inestancável do corpo da linguagem", e, por isso, o sujeito lírico de Apesar de você pergunta a quem estabelece a 'ordem': "Onde vai se esconder da enorme euforia? Como vai proibir quando o galo insistir em cantar?" e representando a "palavra rigorosa diante de todo arbítrio classificatório", diz "quando chegar o momento, vou cobrar com juros, juro! (...) Você vai pagar, e é dobrado, cada lágrima rolada nesse meu penar".

A metáfora introduz "tensões e atritos" como em "ainda pago pra ver o jardim florescer, qual você não queria".

Nessa 'desordem sob controle', a letra de Chico Buarque vai buscando "objetos que desregulam o modo operacional e previsível da matriz".

Nos versos "você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia" temos, então, exemplo da poesia como algo que 'ameaça', que desordena um sistema instituído, mesmo que tentem estancá-la, pois ela está ali para "vigorar sem outro compromisso que não seja a afirmação de que nossa liberdade passa não apenas pelas palavras em que nos reconhecemos, mas, sobretudo, pelas palavras com as quais aprendemos a nos transformar".

Natália Cristina de Almeida Souza
Enviado por Natália Cristina de Almeida Souza em 26/09/2009
Reeditado em 27/09/2009
Código do texto: T1833086
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Natália Cristina de Almeida Souza
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil
47 textos (14254 leituras)
1 e-livros (51 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 01:13)