Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Fidelidade em Tradução Poética

Acabo de ver mais uma das tantas traduções em língua portuguesa do poema Táctica y Estrategia do conterrâneo uruguaio Mário Benedetti.
Confesso que ainda não li nenhuma integralmente correta.
Refiro-me  mais precisamente a um verso contido na quarta estrofe e que diz:

"..Y que no nos vendamos simulacros..."

Antes,porém,de tecer comentários acerca do tema,entendo como necessário dá-lo a conhecer àqueles que ainda não o tenham lido.
Ei-lo:

Mi táctica es
mirarte
aprender como sos
quererte como sos

mi táctica es
hablarte
y escucharte
construir con palabras
un puente indestructible

mi táctica es
quedarme en tu recuerdo
no sé cómo ni sé
con qué pretexto
pero quedarme en vos

mi táctica es
ser franco
y saber que sos franca
y que no nos vendamos
simulacros
para que entre los dos

no haya telón
ni abismos

mi estrategia es
en cambio
más profunda y más
simple
mi estrategia es
que un día cualquiera
no sé cómo ni sé
con qué pretexto
por fin me necesites

Pois,dentre outras esdrúxulas traduções da expressão 'vendamos simulacros' ,que tive a oportunidade de ler,hoje encontrei esta: 'vendemos simulados' !
Uma aberração!
Pra começo de conversa, 'vendamos' é forma do verbo 'vendar'(colocar venda,tapar,cobrir os olhos) também utilizado em língua portuguesa e que ,no poema ,aparece conjugado na primeira pessoa do plural-tempo presente.
O substantivo masculino-plural 'simulacros' ,a exemplo do Português,é sinônimo de 'simulações'(mentiras,enganos,falsificações),o que não se assemelha sequer de longe à tradução 'vendemos simulados'(ato de comercializar enganos...(?)).

'Vendamos simulacros',portanto, refere-se ao ato de encobrir ou mascarar uma (ou diversas) realidade(s).
Em minha modesta opinião,o verso em Português ficaria melhor,por fidedigno,transcrito desta forma:

"E que não mascaramos a verdade"

Assim,a meu pensar,se manteria a fidelidade lingüística e metafórica do verso em particular,bem como a integridade semântica do poema em questão.


Zully Oney Teijeiro Pontet
Enviado por Zully Oney Teijeiro Pontet em 06/07/2006
Reeditado em 06/07/2006
Código do texto: T188427
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Zully Oney Teijeiro Pontet
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 59 anos
219 textos (13426 leituras)
1 áudios (112 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:39)
Zully Oney Teijeiro Pontet