CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

AUTO: O TEATRO DE ESPÍRITO RELIGIOSO

_______________________________________________________

Estudos Literários

Auto é uma designação genérica para textos poéticos normalmente em redondilhas. O termo é específico do espanhol e do português, referindo-se de início a toda obra teatral, especialmente às de caráter religioso. Do século XV em diante a palavra se limita às peças em versos (normalmente em redondilhas), em um ato (auto), e de caráter predominantemente religiosos, embora existam obras de temática profana e satírica (as farsas), sempre com preocupações moralizantes. Os personagens encarnam abstrações ou ideias puras (e até atributos divinos), para serem representadas em solenidades cristãs. Com o surgimento de grandes autores, o “auto” transcendeu essa finalidade, tornando-se gênero autônomo e de alto significado literário.

O mais antigo auto, conhecido, é o de "los Reyes Magos", talvez escrito no século XIII. Juan Del Encina e Torres de Naharro são considerados, no final do século XV, os criadores do teatro (auto) espanhol. Um dos autos mais famosos é o "Monólogo do Vaqueiro ou Auto da Visitação", de Gil Vicente.

O auto, no Brasil, foi cultivado pelo Padre José de Anchieta, em seu trabalho de catequese.

Modernamente, especialmente no nordeste, encontramos textos notáveis que revelam certa influência medieval. É o caso do Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna. O poeta Joaquim Cardozo escreveu um belo auto de Natal, De Uma Noite de Festa. Em ambos é conservado o espírito religioso tradicional, mas os personagens são popularizados e a tradição folclórica é aproveitada. Poderíamos também citar o Auto de Natal Pernambucano (mais conhecido como Morte e Vida Severina) e Auto do Frade, ambos de João Cabral de Melo Neto. No campo da música popular, o Auto da Catingueira, de Elomar Figueira Melo.

Morte e Vida Severina, é um texto escrito em versos curtos, onde predomina a redondilha e diálogos entre personagens. Daí resulta num texto propício a encenação do Auto ou a leitura em voz alta. O espírito religioso se manifesta nos nomes de alguns personagens (Maria, José, o carpinteiro) e na exaltação a vida, a partir do nascimento de uma criança nos mangues de recife. Aí esta a razão do subtítulo Auto de Natal Pernambucano. ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

Auto: O Teatro de Espírito Religioso.

Gil Vicente e o Auto Da Sibila Cassandra - Estudos Literários.

Os Autos de Anchieta (Parte 1)

Os Autos de Anchieta (Parte 2)

Os Autos de Anchieta (Parte 3)

____________________

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 29/01/2010
Reeditado em 26/11/2013
Código do texto: T2058887
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 66 anos
1281 textos (14405633 leituras)
7 e-livros (6027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 06:17)