Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AUTORES E OBRAS DE NOSSO BARROCO

______________________________________________________________________

BARROCO (SEISCENTISMO), de 1601 a 1768.

 

 

BENTO TEIXEIRA (1561-1600)

Poesia Épica: "Prosopopeia", obra publicada em Lisboa no ano de 1601; é considerada o marco inicial do Barroco literário no Brasil, e tida, por algum tempo, como o primeiro poema impresso de autor brasileiro. Entretanto, descobriu-se, mais tarde, que Bento Teixeira se passava por pernambucano, quando, na verdade, era natural da cidade do Porto (Portugal). Prosopopeia é de influência camoniana - a semelhança de Os Lusíadas -, composta com 94 estâncias (estrofes) de versos decassílabos em oitava heroica (AB, AB, AB, CC). O narrador é Proteu. Foi composta com a finalidade de louvar a D. Jorge de Albuquerque Coelho, donatário da Capitania de Pernambuco.

MANUEL BOTELHO DE OLIVEIRA (1636-1711)

Poesia: "Música do Parnaso" (coletânea de poemas) – obra publicada em Lisboa, em 1705. Dividida em quatro coros de rimas – portuguesas, castelhanas, italianas e latinas. Das "rimas portuguesas" que englobam 42 sonetos, 23 madrigais, 12 décimas, três redondilhas, 14 romances, um panegírico, um poema em oitavas, seis conações e uma silva; destacam-se o poema A Ilha da Maré e os sonetos dedicados à amada Anarda, sua musa soberana. Botelho foi o primeiro escritor nascido no Brasil a ter um livro publicado.

FREI MANOEL DE SANTA MARIA ITAPARICA (1704-?)

Poesia: "Eustáquidos" (1769) - Epopeia sacra e tragicômica poema sacro, sobre a vida de Santo Eustáquio. Nesta obra encontra-se a Descrição da Cidade da Ilha de Itaparica, apologia hiperbólica (exagerada) da paisagem brasileira.

PADRE ANTÔNIO VIEIRA (1608-1697)

Foi o maior pregador do seu tempo; defensor dos negros, dos índios e dos cristãos-novos (judeus convertidos). A defesa dos cristãos-novos e valeram-lhe o ódio da Inquisição que o processou por opiniões heréticas. Foi condenado a dois anos de reclusão em uma casa jesuítica e o impedimento de pregar. Anistiado por D. Pedro, regressou ao Brasil em 1681. Pertence tanto à nossa literatura quanto a portuguesa.

Sermão (quase duzentos). Os Principais são:

Þ "Sermão da Sexagésima" (parábola do semeador) - O mais importante e polêmico dos seus sermões. Foi pregado na Capela Real de Lisboa, em março de 1655. Compõe-se de 10 pequenos capítulos, baseado no Evangelho segundo São Lucas: Semen est verbum Dei (A semente é a palavra de Deus). Esse sermão critica o estilo de outros pregadores (seus adversários católicos, os gongóricos dominicanos) que ao invés de pregarem servindo a Deus, o fazem para agradar aos homens.

Þ "Sermão Pelo Bom Sucesso Das Armas De Portugal Contra As De Holanda" - Pregado na Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, Bahia, em 1640. Vieira incita o povo a combater os invasores holandeses, realçando os horrores e depredações que eles fariam. O sermão ficou célebre pelo trecho conhecido como a "Apóstrofe Atrevida", onde questiona Deus, em pleno púlpito da igreja, com o Santíssimo Sacramento exposto: "Não me admiro tanto, Senhor, de que hajais de consentir semelhantes agravos e afrontas nas vossas imagens, pois já as permitistes em vosso sacratíssimo corpo; mas nas da Virgem Maria, nas de Vossa Santíssima Mãe, não sei como isto pode estar com a piedade e amor de Filho (...). Deus meu? (...). Sois o mesmo, ou és outro?". Se você tem interesse em "conhecer" a Apóstrofe Atrevida, clique Aqui!

Þ "Sermão de Santo Antônio" (aos Peixes) – Pregado em São Luís do Maranhão, em 1654. Vieira critica os costumes e o aprisionamento dos índios.

Carta: cerca de quinhentas, versando sobre o relacionamento entre Portugal e Holanda, a Inquisição e as ações dos Jesuítas na colônia.

Profecia: "História do Futuro" e "Esperanças de Portugal". Publicados postumamente. Nestas obras, nota-se a defesa do sebastianismo – crença segundo a qual o rei D. Sebastião, não morrera em combate na África, voltaria em breve para elevar Portugal a uma posição de destaque.

[GREGÓRIO DE MATOS] GUERRA (1633-1693)

Apelido: Boca do Inferno (devido linguagem maliciosa e ferina com que criticava pessoas e instituições da época).

Advogado formado em direito pela universidade de Coimbra. Foi o mais importante poeta do Barroco Brasileiro.

Sua obra nunca foi publicada em vida, o que ocasionou muitos problemas de autoria. Permaneceu inédita até o século XX quando Afrânio Peixoto a reuniu em seis volumes, publicados no Rio de Janeiro, pela Academia Brasileira de Letras, entre 1923 e 1933,: I. Poesia Sacra; II. Poesia Lírica; III. Poesia Graciosa; IV. e V. Poesia Satírica e VI. Últimas. ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

Autores e Obras de Nosso Romantismo – Poesia / 1ª Geração.

Autores e Obras de Nosso Romantismo – Poesia / 2ª Geração.

Autores e Obras de Nosso Romantismo – Poesia / 3ª Geração.

Obras e Autores de Nosso Arcadismo.

________________________________________ 

Para maiores informações sobre o assunto: Nicola, José de. Literatura Brasileira das origens até nossos dias. Scipione, São Paulo, 1966. / Bosi, Alfredo – História Concisa da Literatura Brasileira, 3ªed., São Paulo, Cultrix, 1988. / Coutinho, Afrânio. Aspectos da Literatura Barroca. Rio, s. e., 1950.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 23/09/2010
Reeditado em 21/08/2013
Código do texto: T2516756
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14864141 leituras)
7 e-livros (6203 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/10/14 21:34)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética