Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vocabulário

Escrevendo poesias e textos, vi como meu vocabulário precisava ser ampliado. A língua portuguesa é um manancial quase interminável de possibilidades. Hoje entendo o que uma professora sempre repetia: o nosso vernáculo é dos mais ricos da cultura humana. A leitura de textos de outros autores, especialmente os clássicos, enriquece o nosso vocabulário e eleva os pensamentos.

A título de contribuição, seguem termos e vocábulos que utilizei em meus textos, com o devido significado. As críticas são bem-vindas.
-----------------------------

Abissal: espantoso, assombroso, enorme, misterioso, enigmático; a parte profunda dos oceanos.
Abominável: detestável, execrável.
Alcova: pequeno quarto, dormitório, quarto de mulher, leito.
Alento: inspiração, coragem, ânimo, alimento, sustento.
Amplexo: abraço.
Angustura: bebida feita à base de certas plantas, de sabor exótico.
Araçá: árvore típica do cerrado, cuja lenha é de alto conteúdo energético.
Artesanas: artesanatos (do espanhol).
Augúrio: presságio, prognóstico, auspício.
Áulicas: relativas às côrtes ou aos cortesãos.
Auspiciosa: de bom augúrio, prometedora.
Banquisa: campo de gelo glacial flutuante, proveniente do congelamento da água do mar.
Bonança: calmaria, sossego, tranqüilidade, serenidade.
Borbotões: jactos impetuosos, jorros, borbulhões.
Caliandra: delicada flor vermelha do cerrado.
Cálidas: quentes, ardentes, apaixonadas.
Candente: em brasa, rubro, ardoroso, arrebatado.
Chama: pássaro engaiolado que se utiliza para chamar outros; chamariz.
Clemência: perdão, indulgência, graça.
Coadjuvante: que ajuda; ator que interpreta um papel secundário.
Cômoro: pequena elevação do terreno.
Contraponto: polifonia, música para duas ou mais vozes ou instrumentos; contraste.
Desarrazoar: disparatar, proceder ou falar sem bom senso.
Desatino: falta de juízo, loucura.
Desbragadamente: descomedidamente, despudoradamente.
Desvelar: revelar, tirar o véu, descobrir.
Diáfana: translúcida, semi-transparente.
Encetar: começar, iniciar, principiar.
Enfado: incômodo, zanga, aborrecimento.
Enlace: união, abarcamento; relacionamento, concatenação.
Exsudar: segregar em forma de gotas ou de suor.
Enlevo: encanto, deleite, êxtase, arroubamento.
Esbulho: despojo, fraude, usurpação.
Estafeta: entregador de cartas ou recados.
Fálica: relativa ao falo ou a seu culto.
Fenecer: morrer, acabar, extinguir, terminar.
Fortuito: casual, acidental, eventual.
Frenesi: delírio, excitação, arrebatamento.
Fulcro: ponto de aplicação da força ou da alavanca; suporte, apoio.
Fuste: tronco principal das árvores.
Harpia: gavião-real, maior ave predadora brasileira, espécie ameaçada de extinção.
Ignoramus: do latim, próprio dos que não tem conhecimento.
Inaudita: que nunca se ouviu dizer, de que não há exemplo, extraordinário, fantástico, incrível.
Indigente: paupérrimo, pobríssimo, que vive em penúria.
Inefável: que não se pode exprimir por palavras, indizível, encantador, inebriante.
Insopitável: incontido, indomável, inadiável.
Intentona: intento louco, plano insensato.
Insuspeito: imprevisto, do qual não cabe suspeição.
Invernada: chuvas contínuas e prolongadas, mesmo na estação quente do ano.
Irisada: riscada em cores como o arco-íris.
Lenitivo: leniente, calmante, alívio, conforto, consolo.
Léu: à vontade, à toa, ao acaso, em abandono.
Liana: trepadeiras, longos cipós.
Malevolência: má índole, maléfico, malévolo.
Málicas: ácidas, acres, mordazes.
Manhães: relativo a manhãs - antropônimo.
Mavioso: terno, afetuoso, afável, brando, suave, doce, harmonioso.
Mister: intuito, necessidade, urgência.
Monções: ventos ou tempestades periódicas.
Mouco: que não ouve, surdo.
Olores: variação poética de odores; cheiro agradável, aroma, perfume, fragrância.
Orbe: globo, corpo celeste, planeta, astro.
Paradigma: modelo, padrão.
Paulatina: feita aos poucos, lenta, vagarosa.
Porvir: tempo que há de vir, o futuro.
Primal: primeiro, que precede a tudo, que tem primazia ou prioridade.
Pungente: comovente, que marca emocionalmente.
Quimera: monstro fabuloso, produto da imaginação, fantasia, utopia.
Réquiem: música ou ofício dos mortos; descanso, repouso.
Rescaldo: calor reverberado de incêndio ou fornalha.
Rotunda: redonda, arredondada.
Rosso: vermelho (do italiano).
Sálica: qualidade mineralógica dos silicatos (e.g.: areias).
Sanha: fúria, ódio, ira, rancor.
Seminal: relativo a semente ou a sêmen.
Sideral: relativo aos astros (ao céu) ou próprio deles; celeste.
Siso: bom senso, juízo, prudência, circunspecção.
Sobranceiro: altaneiro, proeminente, orgulhoso.
Sofisma: argumento verdadeiro utilizado de forma falsa.
Sôfrego: ávido, sequioso, desejoso, impaciente.
Tença: qualidade do fundo do mar para efeitos de segurar âncora (e.g: fundo de boa tença: bom ancoradouro).
Trôpego: de andar vacilante, claudicante.
Torpe: desonesto, infame, vil, repugnante.
Túrgido, túmido: dilatado por conter grande porção de humores, intumescido, inchado.
Urbe: cidade.
Vero: verdade, verdadeiro (do italiano).
Vicissitude: acidente desfavorável, revés; transformação, alteração.
Viso: aspecto, fisionomia, rosto, semblante.
Humberto DF
Enviado por Humberto DF em 07/11/2006
Reeditado em 27/03/2007
Código do texto: T284801
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Humberto DF
Brasília - Distrito Federal - Brasil
121 textos (23786 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:31)
Humberto DF