Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ROMANCE INDIANISTA

____________________________________

Estudos Literários

 

O Romance Indianista, tipicamente brasileiro, foi um das principais tendências do nosso Romantismo. O prestígio do indianismo - que trazia o índio e os costumes indígenas como foco literário - junto ao público foi amplo e imediato. Vários fatores contribuíram para a sua implantação. Dentre eles citamos:

As idéias do pensador iluminista e pré-romântico Jean Jacques Rousseau. Segundo ele o homem originalmente é puro, mas é corrompido ao entrar em contato com a civilização. Portanto, Rousseau via no homem primitivo o modelo de ser humano.

No Brasil essas idéias encontraram plena aceitação entre os artistas e o publico, já que nosso índio podia ser identificado como o bom selvagem de Rousseau; por não contarmos com a riquíssima matéria aventuresca medieval do Romantismo Europeu: o cavaleiro medieval representava a figura do herói romântico, justo fiel, corajoso, forte e ético. No Brasil, o herói cavaleiro não poderia existir, pois não houve Idade Média, então, nosso índio passou a representar a pureza, a inocência do homem não corrompido pela sociedade, além de assemelhar-se aos heróis medievais. O próprio Brasil, recém-independente, passou a ser visto como uma espécie de "paraíso americano" a salvo da decadência cultural das civilizações portuguesa e europeia em geral.

José de Alencar é o nosso mais representativo autor indianista em prosa, como nos provam os dois melhores romances que escreveu:

Iracema (1865) a mais bela lenda indígena transformada em prosa tal a beleza e a plasticidade de suas imagens. O romance narra à lenda (criada pelo próprio Alencar) da origem do Ceará (Estado natural do autor), fruto do amor proibido entre o guerreiro português Martin e a virgem tabajara Iracema.

O Guarani romance histórico-indianista publicado inicialmente sob a forma de folhetim no diário do Rio de Janeiro, em 1857. E Ubirajara (1874).

Na poesia, Gonçalves Dias, um autêntico indianista pelas seguintes razões:

1ª. Pelo sangue (era filho de uma guajajara com um português).

2ª. Pelo conhecimento direto com os indígenas quando menino.

Com poemas espalhados por vários livros, destacam-se como verdadeiras obras-primas: I-Juca-Pirama, na qual relata a morte do último remanescente da tribo Tupi, devorado por índios da tribo dos Timbiras; e Canção do Exílio.

Merecem destaque também: Marabá, Canção do Tamoio, O Canto do Guerreiro e o inacabado Os Timbiras, poema épico do qual só chegaram a serem publicados os quatro primeiros cantos.

Mais modernamente, o indianismo é visível em Macunaíma, de Mário de Andrade; Cobra Norato, de Raul Bopp e Martin Cerrerê, de Cassiano Ricardo. ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

O Romance Urbano ou de Costumes

O Romance de Aventuras

O Romance de Cavalaria

O Romance Epistolar ou em Cartas

_________________________________________________

Para maiores informações a respeito do romance urbano ver: Massaud Moisés. Tipos de Romance, in A Criação Literária, São Paulo, Melhoramentos, 1973, pp. 293-295.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 24/09/2012
Código do texto: T3898443
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14842192 leituras)
7 e-livros (6195 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/14 21:06)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética