Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DISCURSO INDIRETO E O INDIRETO LIVRE

-------------------------------------————————————————------------------------------

Tipos de Discursos

 

1. O DISCURSO INDIRETO

• O discurso ou diálogo indireto ocorre quando o narrador utiliza suas próprias palavras para reproduzir a fala de um personagem. Em outras palavras, o narrador é que passa a ser o portador das falas e dos pensamentos das personagens. Por essa razão dizemos, dizemos que esse tipo de discurso ocorre de maneira indireta:

Quando lhe disseram que os sábios desprezam os bens desse mundo, ele perguntou lá do fundo da sala pelo rei Salomão.

Uma senhora interessando-se pela ave, indagou qual era o preço.

Se o discurso fosse direto, ficaria assim:

Quando lhe disseram que os sábios desprezam os bens desse mundo, ele perguntou lá do fundo da sala: — E o rei Salomão.

Uma senhora interessando-se pela ave, indagou:

— Qual é o preço?

• Observa-se, nos exemplos, que a fala das personagens (trechos grifados) foi reproduzida pelo narrador, na 3ª pessoa do singular (ele, ela). Sempre que isso ocorrer, ou seja, a fala da personagem ser reproduzida na 3ª pessoa do singular ou do plural, o discurso será indireto. Observa-se também, que a fala não vem precedida de travessão, nem está entre aspas, mas está inserida no discurso do narrador.

• Ainda nos trechos grifados, a fala é aberta com: ele perguntou...; (ela) indagou...; daí, dizer-se que no discurso indireto as falas abrem-se, geralmente, com o sujeito + o verbo de elocução ou dicendi (perguntou, indagou), seguido da fala da personagem, que completa o significado do verbo. Observe este outro exemplo:

 Carlota, que estava ao meu lado, observou que, afinal, eu não tinha motivo para deixar de atender ao pedido de Mère Blandine [...]. (Ciro dos Anjos).

Observação: Se você ainda não sabe o que é um verbo dicendi ou de elocução, clique neste link: O Discurso Direto.

2. O DISCURSO INDIRETO LIVRE

• O discurso indireto livre é um tipo de discurso misto, em que se associam as características do discurso direto e do indireto.

• Dos três tipos de discursos, esse é o mais complicado. O que ocorre, nesse caso, é que a fala interior da personagem (as emoções, as ideias, os sentimentos, as reflexões) insere-se na em meio à fala do narrador de forma sutil, causando certa confusão em relação a quem está se pronunciando (ele ou a personagem). Portanto, na maioria dos casos, desaparecem os verbos de elocução, travessão, dois pontos, enfim, os sinais de pontuação. Além disso, esse tipo de discurso é mais frequente com o foco narrativo na 3ª pessoa:

Como nas noites precedentes, uma fila de agricultores se formou na porta de uma padaria e o padeiro saiu a informar que não havia pão. Por quê? Onde estava o pão? O padeiro respondeu que não havia farinha. Onde então estava ela? Os agricultores invadiram a padaria invadiram a padaria e levaram o estoque de roscas e biscoitos, a manteiga e o chocolate. (Garcia de Paiva. Os agricultores arrancam paralelepípedos.)

• No fragmento apresentado o autor reproduz a conversa entre um grupo de agricultores e um padeiro. Nas duas falas do padeiro temos o discurso indireto (... o padeiro saiu a informar que não havia pão. / O padeiro respondeu que não havia farinha.). Quando o narrador reproduz a fala dos agricultores, o faz da mesma forma com o qual eles se expressaram; o que constitui uma característica do discurso direto. Neste caso, tanto o discurso indireto, quanto o direto, não utilizam a pontuação tradicional do discurso. Mas há o emprego do verbo de elocução ou discendi (informar e respondeu).

• Temos, assim, uma estrutura de diálogo, em que se misturam formas do discurso direto e do indireto, criando consequentemente um modo de escrita intermediária entre eles: o discurso indireto livre. Eis outro exemplo: 

Sinhá Vitória desejava possuir uma cama igual à de seu Tomás da bolandeira. Doidice. Não dizia nada para não contrariá-la, mas sabia que era doidice. Cambembes podiam ter luxo? E estavam ali de passagem. Qualquer dia o patrão os botaria fora, e eles ganhariam o mundo, sem rumo, nem teriam meio de conduzir os cacarecos. (Graciliano Ramos. Vidas Secas.)

• Nesse fragmento, o narrador nos fala do que estava pensando o personagem Fabiano a respeito do sonho de sua mulher a Sinhá Vitória. Mas, como a narrativa não vem marcada pelo verbo de elocução, nem pelos dois pontos e travessão, a fala do narrador, em certos trechos, confunde-se com a de Fabiano. ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

O Discurso Direto.

Monólogo interior.

Solilóquio.

_____________________________

Informações foram recolhidas e adaptadas ao texto de: Branca Granatic, Técnicas de Redação; e de Rocha Lima, Gramática Normativa da Língua Portuguesa.

Para copiar este texto: selecione-o e tecle Ctrl + C.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura do texto e, antecipadamente, qualquer comentário.

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 08/03/2007
Reeditado em 08/04/2010
Código do texto: T405071

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14923826 leituras)
7 e-livros (6233 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/11/14 05:39)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética