Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO CONCRETOS, CONCRETOS E PROCESSO



1---Começo com uma reflexão:

Poema COTA ZERO de DRUMMOND - “Stop.   /  A vida parou  /  ou foi o automóvel?”  ---  Três versos ou linhas,  Curtinho, não?!  Ih, esse titulo transmite anulação, aniquilamento das nossas ‘verdades’, redução espiritual, automatismo que nos leva a equalizar e não mais distinguir entre um e outro valor humano.  Pensar, repensar a vida:  novos valores do espírito e da existência humana.  E como é a sua vida, caro leitor?

                                - - - - -

2---CASSIANO RICARDO (1895/1974)- Início de produção como neo-simbolista e neo-parnasiano.  Fez parte  do Verde-Amarelismo e do Grupo Bandeira:  espírito nacionalista, inspiração indígena e no bandeirante  paulista em algumas obras;  também lírico e urbano (máquinas e tecnologia);  depois, poesia concreta, práxis e processo.  Jornalista, advogado, poeta, ensaísta.  Cadeira n.31 da ABL.

                                         - - - - -

3---Poemeto da linha pré-concretista, publicado no livro “Um dia depois do outro”, 1947, aspecto gráfico-especial inovador - serenata é canto popular, canto é poesia, texto que pode ser uma brincadeira irônica:  típico do Modernismo apresentar coisas sérias em tom jocoso:

Serenata sintética

Rua

torta.

 

Lua

morta.

 

Tua

porta.

 

ASPECTO FORMAL - 6 versos, cada um deles com uma única palavra e uma única sílaba poética, agrupadas em 3 frases ou 3 dísticos, rimas ababab.

NÍVEL FÔNICO - Rimas tipo ‘a’ nos versos 1-3-5, ‘ua’;  ‘b’ nos versos 2-4-6, ‘or’ - só muda a primeira letra das palavras.  A partir da observação de dois blocos fônicos no poema, r-l-t + ‘-ua’ e t-m-p + ‘-orta’, percebe-se estreita ligação-relação entre os componentes de cada bloco.  Assim, a rua (o caminho) e a lua (o astro dos apaixonados) levam à mulher amada - em paralelo, a sinuosidade da rua e a falta de brilho da lua - a incerteza do que não  se vê bem - se transfere para a (tua) porta:  abrirá ou não?

NÍVEL MORFOLÓGICO - Classes de palavras:  rua-lua-porta - substantivos;  //  torta-morta - adjetivos acompanhando substantivos;  //  tua - pronome possessivo acompanhando um substantivo.  //  Agrupamentos - rua-lua-porta;  torta-morta-tua.  //  Ausência de verbos que pelo contexto poderiam ser:  andar, caminhar, procurar, tocar, abrir - estaticidade na expectativa do seresteiro ante a porta da amada..

NÍVEL SEMÂNTICO - Três pontos finais no texto, ao final de cada estrofe.  //  DENOTAÇÕES (significação primeira) e CONOTAÇÕES (percebidas por associação) destas 3 frases:  Rua - caminho, passagem;  conotativamente, vida, destino / torta - sinuosa, difícil;  conotativamente, sendo torta, não se vê um fim, daí ser misteriosa, duvidosa / “rua torta”, caminho sinuoso, vida difícil, misteriosa.  //  Lua - astro dos namorados, típico das serenatas que exigem lua cheia;  antes inatingível, hoje visitada pelo homem / morta - sem vida, triste, sem luz / “lua morta” - lua encoberta, oculta, lua sem brilho, noite sem luar.  //  Tua  - localiza a segunda pessoa a quem o poeta se dirige / porta - passagem, abertura;  fechada representa uma abertura possível, uma esperança ou pelo menos ema expectativa / “tua porta” - a da amada, abertura ou não para o amor; lugar onde o poeta faz serenata;  dúvida ante o amor dela.

                                         - - - - -

4---CASSIANO RICARDO - Livro “Jeremias sem chorar”, 1964 - crítica política ao mundo pós-moderno, o homem sem espaço para lamentos - o livro ainda retrata o fanatismo religioso, as guerras, a fragmentação da família e o desinteresse pela política.  Obra “escrita” em linosignos, poemas sem alinhamento linear clássico, versos soltos na página ou em ideogramas, ritmo visual no texto.  Personagem JEREMIAS (na Bíblia, Antigo Testamento, pesquisador-historiador-profeta)  - vida num mundo de lutas individuais e coletivas, sem tempo para chorar as dificuldades da vida unindo-se aos próximos pelo amor;  escreveu o “Livro das Lamentações” --- feito em pedra-sabão por Aleijadinho no adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo - MG.

5---IDEOGRAMA - Escrita por ideias, lembrando a forma dos sons.  O ideograma se liga à poesia concreta e ao poema-processo porque ambos criam desenhos, primeira parte da palavra existe.  O signo verbal representa “outra” coisa;  o ideograma constitui a maioria dos alfabetos primitivos e nos traz um significado direto.   Processo de composição prática que transmite uma ideia através de palavras que ficam soltas dentro de uma estrutura visual;  a ideia do poema é apreendida inicialmente pela própria representação gráfica.

6---Dois poemas correlacionados de CASSIANO RICARDO, em “Jeremias sem chorar”:

1 - “Rotação” (3 estrofes)   -   “a esfera / em torno de si mesma / me ensina a espera / a espera me ensina / a esperança / a esperança me ensina / uma nova espera  a nova / espera me ensina / de novo a esperança / na esfera //  a esfera / em torno de si mesma / me ensina a espera / e a espera me ensina / a esperança / a esperança me ensina / uma nova espera a nova / espera me ensina / uma nova esperança / na esfera // a esfera / em torno de si mesma / me ensina a espera / a espera me ensina / a esperança / a esperança me ensina / uma nova espera a nova / espera me ensina / uma nova esperança / na esfera.”

Ideia através de palavras soltas dentro de uma estrutura visual.  Movimento no tempo - “a espera” - e no espaço - “a esfera em torno de si mesma”.  Comutação (troca) de um fonema.  Ciclo da vida - nascimento-crescimento-maturidade - presentes no poema e também “uma nova esperança na esfera”.

2 - “Translação”

Aqui, IDEOGRAMA (Internet).

Movimento no tempo e no espaço. Sempre esperar.........

                                       - - - - -

7---Novamente CASSIANO RICARDO, no mesmo livro “Jeremias.........”

De novo IDEOGRAMA.

Agora  poema-processo  “Gagárin” - este nome significa em russo .’pato selvagem’ - astronauta do primeiro voo ao redor da Terra, em 1961.  No poema, tudo é funcional, isto é, tem sua razão de ser:   utilização estética do espaço gráfico para reproduzir a órbita, o voo da nave de Gagárin.  São exploradas as qualidades estéticas dos signos lingüísticos e também há o jogo rítmico de fonemas afins e a utilização de nomes de grande potencialidade expressiva:  a palavra ‘ave’ “conduz”por associações de semelhança à idéia de foguete, novo material ‘belo-bela’:  ‘ave bela’   /’belonave’, nave de guerra, ‘astronave’, navio para o espaço/    - e numa original composição ‘ave bélica’ (nave de guerra, retomada do radical latino de ‘bellum’, que tem o significado de guerra).

Pato selvagem - ser belo, simples, natural, indômito, frágil, gregário (vive em bandos), perseguido pelos mais fortes (caçadores).  YURI GAGÁRIN foi o pato selvagem em relação aos homens que em abril de 1961 estavam na Terra, representando a concretização dos anseios de todos os homens de se superarem etc., ele voando mais alto que qualquer outro, em torno do planeta, livre da prisão da Terra - ‘pato frágil’ pois seria morto na falha de qualquer mecanismo, caçado como uma ave.  Relacionamento entre ‘Gagárin, pato selvagem’ e ‘ave, nave’ - palavra ‘ave’, que voam:  nesta palavra, a sensação de liberdade.........  ---  Do Cosmos, a primeira comunicação estética foi resumida em “Ela (a Terra) é azul.

Não poema composto de versos simétricos, poesia linear, mas de blocos de palavras em disposição circular:

1-no centro do poema, as palavras ‘pato selvagem ave’, alusão clara do núcleo do texto poético;  //  2-no semicírculo superior, duas palavras-chave, ‘ave - belo’, usadas homonimiamente:  ave - cumprimento (Ave Maria, Ave Cesar)  X pássaro; belo - beleza - bellus, a, um (radical latino ‘bel’) = bonito X guerra bellum, i = guerra  (conquista especial, pode ser algo ‘belo’, mas bonito, para a guerra?) - neste radical latino, coexistem a beleza (‘bela ave’, ‘bela nave’) e a guerra (‘ave bélica, belonave’) - mensagem ambígua:  Guerra Fria entre States e URSS;  //  3-muitos substantivos, alguns adjetivos e no semicírculo inferior apenas uma frase estruturada parafraseando (imitando), segundo o historiador Suetônio, a famosa saudação dos gladiadores romanos ao imperador antes dos combates: “...morituri te salutant” - “Ave César, os que vão morrer te saúdam”.  No poema, o inverso, antítese, saudação ao advento de uma nova civilização, perspectiva largamente aberta para a vida :  “os que vão nascer te saúdam”.

 

FONTE:

Diversos livros didáticos.

                                              F  I  M
Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 14/04/2017
Código do texto: T5970823
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 50 anos
474 textos (13177 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/11/17 20:32)
Rubemar Alves