CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Função fática

Sinal fechado
Vidro fechado
Carro blindado
Parado no sinal

Do outro lado
Pela fresta
Da janela semi-aberta
Ergue-se um polegar.

-Beleza!
-Quanto tempo!
-Qual seu e-mail?
-Entre  no site
-Com que nome?
-Com meu apelido de escola
-Te vejo na Internet
- Até logo!
- Até logar

.......

NA
Por causa do texto FUNÇÃO FÁTICA que postamos, alguns leitores têm procurado maior aprofundamento nesta e noutras funções da linguagem. Ei-las com as respectivas definições. Mas vejamos primeiro, os elementos da comunicação:

• emissor - emite, codifica a mensagem
• receptor - recebe, decodifica a mensagem
• mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor
• código - conjunto de signos usado na transmissão e recepção da mensagem
• referente - contexto relacionado a emissor e receptor
• canal - meio pelo qual circula a mensagem

Função fática

Centralizada no canal, tem como objetivo prolongar ou não o contato com o receptor, ou testar a eficiência do canal. Ocorre nas ligações  telefônicas, saudações... nos testes em aparelhagem de som, por exemplo: ALÔ... ALÔ...SOM, SOM, SIM, SIM...JESSUS... JESUS. Já viram como o sonoplasta imposta a voz? Parece um Deus, um super-herói (todos olham para ele). Depois, ele se afasta e o verdadeiro artista dá o show (Isso é só uma piada para ilustrar o assunto)

Função referencial (ou denotativa)
Centralizada no referente, quando o emissor procura oferecer informações da realidade. Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular. Linguagem usada nas notícias de jornal e livros científicos.

Função apelativa (ou conativa)
Centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento do receptor. Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além dos vocativos e imperativo. Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. As propagandas são campeãs no uso da função apelativa. Bem elaboradas, atraem o ouvinte, um potencial consumidor. Lembram a propaganda de “Tostines”.  “Tostines vendem mais porque não fresquinhos e ou são fresquinhos porque vendem mais?!”

Função poética
Centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor. Afetiva, sugestiva, conotativa...  metafórica. Valoriza as palavras, suas combinações. É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música...

Função metalingüística
Centralizada no código, usa a linguagem para falar dela mesma.(O código falando do próprio código). A poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta...
 Lembram de Olavo Bilac?
“Última flor do Lácio inculta e bela, eis ao mesmo tempo esplendor e sepultura... (Falava do Latim, uma língua morta, e mãe de tantas outras línguas vivas, por isso, esplendor e sepultura)

Créditos:
<http://www.graudez.com.br> Acesso em 08.04.10




Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 16/01/2008
Reeditado em 17/06/2010
Código do texto: T819943
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (LIMA, Adalberto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 62 anos
2152 textos (291578 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 03:44)